Comportamento

Após mais de um século de atividade, Ford encerra produção de veículos no Brasil

capaapos mais de um seculo de atividade Ford encerra producao de veiculos no Brasil

Depois de mais de 100 anos de história, a empresa optou por parar a produção no Brasil, mas os produtos ainda serão comercializados no país. Entenda.



Nesta segunda-feira (11), a fabricante de automóveis multinacional estadunidense Ford anunciou que encerrará a produção de veículos em suas fábricas no Brasil. A decisão marcará o fim de mais de 100 anos de história da empresa no Brasil.

De acordo com o G1, em maio de 1919, a Ford trouxe sua primeira fábrica de automóveis ao país, que foi, também, a primeira fábrica desse segmento no Brasil. O modelo de produção era o Ford T, que ficou conhecido como Ford Bigode. A fábrica trabalhava com a montagem de peças, que eram importadas.

A decisão da Ford chega em um momento de crise. A empresa, que tinha fábricas em Taubaté (SP), Camaçari (BA) e Horizonte (CE), disse em comunicado à imprensa que a decisão foi tomada por conta da pandemia de covid-19, que está ampliando a persistente capacidade ociosa da indústria e redução de vendas, o que resulta em perdas significativas.


O G1 teve acesso a uma carta da Ford aos concessionários. Ela dizia que desde a crise econômica de 2013, a Ford da América do Sul vem acumulando perdas, o que fez com a matriz da montadora, nos EUA, tivesse que auxiliar nas necessidades de caixa, o que torna inviável para a empresa continuar as atividades por aqui.

A montadora também citou desvalorização das moedas na América do Sul, o que associou ao aumento dos custos industriais. Segundo a carta, a decisão do encerramento da produção de veículos foi tomada apenas depois da busca de parcerias e a venda de ativos. O documento afirma que a empresa não encontrou opções viáveis para manter a produção na região.

Apesar da decisão, a Ford seguirá comercializando seus produtos no Brasil, que serão importados da Argentina, Uruguai e outras regiões fora da América do Sul. A empresa assegurou que os clientes continuarão com assistência de manutenção e garantia.

No país, serão mantidos apenas o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, e o campo de provas e da sede administrativa para a América do Sul, em São Paulo.


Com a decisão da Ford, cerca de 5 mil empregos serão afetados no Brasil e na Argentina. Apenas na fábrica de Taubaté, serão cerca de 830 funcionários demitidos.

A unidade de Camaçari, encarregada da produção dos modelos Ka e EcoSport, e a de Taubaté, responsável pelos motores e transmissões, fecharão de imediato e, no último trimestre do ano, a fábrica de BH terá as atividades encerradas.

Os modelos nacionais da Ford (EcoSport, Ka, e Troller T4) deixarão de ser vendidos com o fim dos estoques atuais. No entanto, a empresa afirmou que novos modelos do Transit, Ranger, Bronco e Mustang Mach1 serão vendidos no Brasil.

A Ford afirmou que o fechamento das fábricas no país faz parte de seu planejamento de reestruturação global e, segundo o CEO da empresa, Jim Farley, apesar de ser uma situação difícil, é necessária para um negócio saudável e sustentável. Austrália e França também tiveram fábricas da empresa fechadas recentemente.


A Ford foi a quinta empresa que mais vendeu carros no Brasil em 2020. Segundo a Anfavea (associação dos fabricantes), foram 119.454 automóveis vendidos, uma queda de 39,2% na comparação com 2019, maior do que o registrado em todo o segmento de automóveis.

O Ministério da Economia divulgou uma nota sobre a decisão da Ford. Confira, na íntegra, abaixo:

O Ministério da Economia lamenta a decisão global e estratégica da Ford de encerrar a produção no Brasil. A decisão da montadora destoa da forte recuperação observada na maioria dos setores da indústria no país, muitos já registrando resultados superiores ao período pré-crise. O ministério trabalha intensamente na redução do Custo Brasil com iniciativas que já promoveram avanços importantes. Isto reforça a necessidade de rápida implementação das medidas de melhoria do ambiente de negócios e de avançar nas reformas estruturais.

O que acha dessa decisão?


Comente abaixo e compartilhe a notícia com os amigos em suas redes sociais!

Depois de roubarem cadeira de rodas de neta, avó de 73 anos a carrega nos braços todos os dias

Artigo Anterior

Gusttavo Lima anuncia doação de 150 cilindros de oxigênio para Manaus

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.