Notícias

Depois de perder o pai em acidente, trigêmeos perdem mãe, avó e tia vítimas da covid-19

Com uma diferença de apenas oito dias, Ana Paula, Karina e Valentina morreram vítimas do vírus, deixando os cuidados dos meninos sob a responsabilidade de um tio.



A pandemia do novo coronavírus continua fazendo vítimas no mundo todo, somando cada vez mais pessoas à frieza dos dados diários. Mas muito além de números, são pessoas que se vão, deixam sua família e seus amigos queridos, sem poder se despedir, sem preparar ninguém para o vazio que fica.

Em Parisi (SP), trágicas perdas são acrescidas ao balanço das vítimas da covid-19. Ana Paula, Karina e Valentina morreram no curto intervalo de oito dias. Todas da mesma família, que deixam para trás os trigêmeos Pedro, Paulo e Felipe, de apenas 5 anos, órfãos e agora sem a avó e a tia.

Os três irmãos, que poucos meses antes já haviam perdido o pai em um trágico acidente, agora estão sob os cuidados do tio materno Douglas Junior Faria Amaral, que mora em Votuporanga, também em São Paulo. Douglas é casado com Luana Amaral, eles têm uma filha de 1,7 ano.


Douglas conta, em entrevista ao G1, que perdeu a irmã Karina Angélica Faria, de apenas 33 anos, em 13 de março. Apenas três dias depois, a outra irmã e mãe dos trigêmeos, Ana Paula Faria, de 37 anos, não resistiu às complicações do vírus.

Menos de uma semana depois, a mãe Valentina Peres Machado, de 66 anos, também faleceu.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Ele explica que ficou completamente sem chão, sem conseguir acreditar que teve de enterrar duas irmãs e a mãe, uma atrás da outra, sem poder sequer se despedir delas. Douglas revela que as três foram enterradas em Parisi, cidade onde Renato Santos, pai dos meninos, sofreu um acidente há menos de seis meses.


Direitos autorais: arquivo pessoal.

As três apresentaram os sintomas de covid-19, mas inicialmente apenas Valentina, a matriarca, precisou ser internada. As irmãs permaneceram em casa, recebendo acompanhamento médico adequado.

Mas Ana Paula e Karina começaram a piorar, e foram ao posto de saúde local, onde se constatou que precisavam ser hospitalizadas. As irmãs permaneceram na unidade de saúde da cidade, aguardando um leito hospitalar.

Porém Karina piorou repentinamente, necessitando de atendimento em UTI, o que demandava sua transferência para outra cidade, já que em Parisi não há estrutura suficiente para atender os quadros mais graves de covid-19.


Às 4 horas da manhã, ele soube do falecimento da irmã. Seu pai, que trabalha na área da saúde, foi quem o informou. No mesmo dia em que Karina foi enterrada, a irmã Ana Paula conseguiu ser transferida para a Santa Casa de Votuporanga, município que fica a menos de 20 quilômetros de distância de Parisi. Enquanto isso, a mãe estava sendo intubada. Valentina, mesmo sedada, apresentava muita agitação, porque estava sem tomar seus remédios controlados.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Ana precisou ser intubada também, mas seu corpo não reagia aos medicamentos, provocando-lhe uma parada cardíaca. Douglas recebeu a notícia de que a irmã havia falecido também durante a madrugada. A mãe Valentina estava internada no Hospital de Base de São José do Rio Preto, unidade considerada referência para mais de 100 municípios da área.

A senhora chegou a apresentar melhora depois da intubação, mas assim que os médicos começaram a reduzir os sedativos, seu corpo parou de responder ao tratamento. Logo ela começou a apresentar febre, e a equipe suspeitava de infecção.


Em pouco tempo, as suspeitas se confirmaram, e o corpo de Valentina estava tomado pela infecção, por isso, a qualquer momento, um órgão poderia parar. Assim como aconteceu com as irmãs, a notícia da morte da mãe veio de madrugada.

Douglas decidiu acolher e cuidar dos sobrinhos, que haviam perdido mãe e pai de maneira trágica. O homem explica que não estava em seus planos aumentar a família, mas que os meninos formaram a base sólida para que ele não entrasse em depressão pela perda das três. A família está se ajeitando, mas torce para conseguir oferecer o melhor aos meninos.

Comente abaixo e compartilhe esta história nas suas redes sociais!


“Agora eu posso rir porque eu tenho meus dentes”, revela menino após tratamento que mudou sua vida!

Artigo Anterior

Durante 30 anos, homem escavou sozinho um canal para levar água para vila seca

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.