5min. de leitura

Após viver cinco anos dormindo na rodoviária de Brasília, jovem se forma em Direito

Histórias de superação têm um grande poder de nos fazer refletir sobre como temos vivido nossas e em todo o nosso potencial para criar a realidade que queremos viver. Elas são uma grande fonte de inspiração e por isso sempre estão presentes por aqui.


A história de hoje é realmente especial, porque mostra que nunca é tarde demais para trabalhar em direção aos nossos objetivos e que, não importa o quão difíceis as coisas pareçam agora, a vitória e o sucesso não são impossíveis.

Quem vê Walisson Pereira da Silva agora, formado em Direito e com uma boa aparência, nem imagina todas as dificuldades que superou para poder chegar onde está.

O homem de 32 anos viveu por 5 anos dormindo no pátio da rodoviária de Brasília, alimentando-se de restos encontrados no lixo e passando por muitas humilhações. Ele passou a morar na rua logo cedo, fugido de casa, onde era vítima de violência física e por isso nem chegou a terminar o ensino fundamental.


Nas ruas também viveu com muita insegurança e temia pela própria vida. “Vi várias pessoas morrendo na minha frente. A rodoviária é um lugar triste, e só sabe disso quem viveu”, conta.

Felizmente, as coisas começaram a mudar, e a princípio foi graças à ajuda de um homem desconhecido que o ofereceu um comprovante de residência para que Walisson pudesse fazer matrícula na escola pública para terminar os estudos.

Ele terminou os estudos ainda morando na rua, e daí em diante nunca mais deixou de estudar.

“Eu ia sujo para sala de aula, passava a noite toda acordado pedindo esmola, acordava com sol quente no rosto, era uma saga triste (…) Fico emocionado ao lembrar do quanto eu queria sair das ruas. Eu sabia que os estudos eram a única forma de eu sair daquele lugar”, lembra Walisson.


Ele se formou no Ensino Médio e no ano de 2010 fez o Enem e foi aprovado em Direito numa instituição privada, financiando as mensalidades. Dividia o seu tempo entre as aulas e a rotina de estudos em bibliotecas públicas, voltando todas as noites para a rodoviária, onde vivia.

Ele não contava para os colegas que vivia nas ruas porque temia a reação deles: “Eu tinha medo de descobrirem minha história, sentia vergonha, e dizia que estava sujo porque vinha do trabalho.”

No entanto, mesmo com todas essas dificuldades, ele nunca deixou de acreditar na própria vitória.

Sobre a escolha do curso, Walisson conta que optou por Direito porque viu nessa profissão uma maior oportunidade de ajudar outras pessoas que tinham histórias de vida semelhantes a dele. Que “tiveram o acesso negado à educação, à justiça e a todos os direitos básicos”, conforme relata.

“Escolhi o direito porque vi tantas injustiças acontecerem no coração da capital do país, tantos direitos sendo violados, e quis ajudar as pessoas a mudarem de vida (…) Conhecimento é poder e quem tem conhecimento não aceita qualquer coisa na vida como opção.”

Formado em Direito, o novo objetivo de Walisson é conseguir a OAB e atuar na Defensoria Pública.

A formatura do novo advogado foi paga pela empresa de eventos que atendeu a turma. A empresa ficou sensibilizada pela história do rapaz e ofereceu-lhe este presente.

Sabendo da importância de preservar a aparência para sua nova profissão, Walisson criou uma vaquinha online para arrecadar recursos para fazer um tratamento dentário e conseguir sobreviver até conseguir um trabalho. Suas despesas mensais, contando aluguel, transporte e alimentação somam R$750,00.

“Estraguei meus dentes com essa vida nas ruas e, hoje, um grupo de amigos se juntou para pagar meu aluguel (…) Também preciso me manter para passar no Exame de Ordem [dos Advogados]. Quero ser, acima de tudo, um defensor público”, contou.

Que história! Desejamos todo o sucesso e felicidade do mundo a Walisson, um grande exemplo de que é, sim, possível superar as adversidades e conseguir a tão esperada vitória!

Esse exemplo merece ser compartilhado, marque seus amigos nos comentários abaixo!


Direitos autorais das imagens utilizadas no texto: Arquivo Pessoal.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.