4min. de leitura

Aprenda a viver para agradar o seu coração e não a opinião dos outros!

Chega um momento em nossas vidas em que precisamos decidir para quem vamos viver: se para nós ou para os outros. Se vamos viver para agradar o nosso coração ou à opinião alheia.

Quando nos moldamos à opinião dos outros apenas para agradar estamos mutilando nossa alma. Ouvir os outros é bom, desde que o que o outro disse não vá contra o que o nosso coração fala.


Nós nos adaptamos à opinião dos outros pelo medo de não sermos amados. Acreditamos que para receber o amor alheio precisamos fazer tudo que querem, agir do modo que eles esperam. Assim, acabamos perdendo nossa espontaneidade, nosso jeito de ser, deixando nosso temperamento de lado. Ou seja, deixamos de ser quem somos e nos tornamos o que os outros querem.

Lembre-se: você não precisa mudar quem é para ser amado. Isso é trair a si mesmo e assim você nunca será feliz. Porque ninguém consegue ser feliz, sendo quem não é.

Ser feliz requer uma dose de ousadia sim! Da ousadia de sermos quem somos, de dizer não quando é necessário, de enfrentar preconceitos, de muitas vezes contrariar o que a grande maioria acha melhor. Isso é se assumir e ser quem é.

Por mais que os outros tenham boa intenção, ninguém sabe o que se passa dentro de nós, nossos gostos e temores. Ninguém pode compreender por inteiro nosso Ser para decidir por nós.


Claro que muitos, carentes de afeto, esquecidos do próprio amor, abandonam a si mesmos para conseguir o aplauso e a aprovação externa. Mas o preço de um elogio é muito caro quando abrimos mãos de nós mesmos.

Entenda que nem todos vão gostar de você. Que nem todos vão concordar com o que você faz, o que você pensa, a maneira que você age. Porém, isso é um processo interno delas.  Elas têm o direito de gostar ou não, o que elas não têm o direito é de querer mudá-lo apenas para que elas fiquem bem.


E você vai ter que decidir se viverá para agradá-las ou a si.

Não é uma questão de egoísmo. É uma questão de bom senso. É uma questão de limites. O limite que separa a sua vida e a do outro. As suas escolhas e a do outro.

Quem o ama de verdade aprende a respeitá-lo pelo que você é, não pelo que queria que você fosse.

E só tem a coragem de ser quem é aquele que se ama, que não é dependente emocional, que respeita o outro, quer o bem do outro, mas que também se respeita e trabalha para a sua felicidade. Que aliás, é o dever de todos nós.

Podemos participar da felicidade do outro, porém nunca assumir essa responsabilidade pelo outro, e nem o outro pela nossa.

É preciso parar de buscar apenas agradar os outros e agradar também a si. Conhecer-se, assumir-se, não ter medo de ouvir o que nosso coração quer e agir conforme isso. Sair do ego, tendo o amadurecimento de não se deixar levar pelo elogio e nem se abaixar pelas críticas.

A opinião os outros é só uma opinião. Mas o que o seu coração diz, sempre será a sua verdade. E vale a pena lutar por ela!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: olezzo / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.