AutoconfiançaGratidão

Aprendendo a receber

Um dos mais importantes aprendizados da vida é saber equilibrar o dar e o receber. A maioria de nós foi condicionada pelo conceito cristão de que a verdadeira virtude consiste em dar, em ajudar o outro, em ser solidário.



É claro que esta é uma qualidade valiosa, mas tão importante quanto ela é saber receber. Por incrível que pareça, muitas pessoas não conseguem fazer isto, principalmente, porque possuem uma autoestima baixa e não se consideram merecedoras de amor e atenção.

Então, aceitam doar-se incondicionalmente sem que recebam de volta, na mesma proporção, o respeito e a admiração que devotam ao outro.
Isto acontece principalmente nas relações afetivas, muitas pessoas acabam se devotando ao outro sem limite e este não corresponde na mesma medida ao seu amor.


Tão importante quanto ser capaz de amar é querer e se permitir ser amado, ter a consciência do valor intrínseco que se possui como ser humano, e desejar tudo de bom que a vida tem a oferecer.

Libertar-se da autorrejeição, dedicar a si mesmo amor e compaixão é o passo inicial para que se desenvolva o dom de ser receptivo ao amor. Isto exige despojar-se do medo e abrir-se plenamente para compartilhar o próprio ser.

GRATID1

O que é dar?”…


…A menos que você se dê, você não dá absolutamente nada.

Você pode dar dinheiro, mas você não é o dinheiro. A menos que você se dê, quer dizer, a menos que você dê amor, você não sabe o que é dar.

“…E o que é receber?” …a mesma verdade quanto ao receber: a menos que você seja capaz de receber amor, você não sabe o que é receber. Você quer ser amado, mas você não pensou sobre isso: você é capaz de receber amor? Há tantas barreiras que não lhe permitem recebê-lo!

A primeira é esta: você não se respeita; daí, quando o amor chega a você, você não se sente bastante adequado para recebê-lo. Mas você fica em tal atribulação, que não pode nem mesmo ver um fato simples: por você nunca ter aceito a si mesmo como é, você jamais foi amado… – como você pode conseguir receber o amor de alguém?


Você sabe que você não é digno dele, mas você não quer aceitar e reconhecer essa ideia tão estúpida, que o alimentou, de que você não é digno de amor. Assim, o que fazer? Você simplesmente recusa o amor. E, para recusar o amor, você tem de encontrar desculpas.

A primeira e a mais importante desculpa é que “isso não é amor – eis porque não o aceito”. Você não acredita que alguém o ame. Quando você mesmo não se ama, quando você não se viu – sua beleza, sua graça, sua grandiosidade -, como você pode acreditar nisso quando alguém lhe diz: “Você é belo. Vejo em seus olhos uma insondável profundidade de tremenda graça. Vejo um ritmo em seu coração, em sintonia com o universo”.

Você não pode acreditar em tudo isso – é demais. Você está acostumado a ser condenado, você está acostumado a ser punido, você está acostumado a ser rejeitado, você está acostumado a não ser aceito como você é – essas coisas você recebe muito facilmente.

O amor terá um tremendo impacto em você, porque você terá de passar através de uma grande transformação antes de recebê-lo. Primeiro, você tem de aceitar-se sem nenhuma culpa. Você não é um pecador como os cristãos e outras religiões continuam ensinando-lhe.


…Para evitar a rejeição, é melhor rejeitar o amor. Eis porque as pessoas não aceitam o amor.

Elas desejam, elas anseiam por ele. Mas, quando chega o momento e alguém está pronto para derramar seu amor em você, você se retrai. Seu retraimento tem uma psicologia profunda. Você tem medo: isto é lindo, mas quanto vai durar? Mas cedo ou mais tarde, minha realidade será revelada. É melhor estar alerta desde o começo.

Amor quer dizer intimidade, amor quer dizer duas pessoas chegando cada vez mais perto, o amor quer dizer dois corpos, mas uma única alma. Você tem medo: sua alma!? Uma alma de pecador, sobrecarregada com más ações de milhões de vidas…? Não! É melhor se esconder, é melhor ficar numa posição em que a pessoa que o ama o rejeite. É o medo da rejeição que não lhe permite receber amor.

Você não pode dar amor, porque ninguém jamais lhe disse que você nasceu um ser amoroso. Eles lhe disseram: “Você nasceu em pecado!”. Você não pode amar nem pode receber amor tampouco. Isso diminuiu todas as possibilidades do seu crescimento. 


OSHO

Por Elisabeth Cavalcante 

Vícios invisíveis

Artigo Anterior

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.