Aquilo que nos pertence…

Duas grandes correntes costuram a vida dos homens: o determinismo e o livre arbítrio.



Os primeiros, os deterministas, dizem que existe uma força superior que nos guia, favorece, seduz, pune, e leva pelos caminhos da escuridão ou da luz. Alguns defendem que essa força é o destino, um percurso pré-determinado, e a nossa missão em vida é cumpri-lo, sucumbir sob o peso dos eventos cotidianos.

Outros chamam essa força de Deus ou Diabo, conforme os nossos passos se aproximam do bem ou do mal. E os que defendem a reencarnação, afirmam que nós escolhemos a nossa vida atual, e se estamos vivendo maus momentos, isso é um aprendizado para evoluirmos, e resultado de opções que fizemos antes do nosso nascimento. Em resumo: a nossa vida já está, de certo modo, escrita.

AQUILO QUE NOS PERTENCE - FOTO 01


Já os segundos, os que defendem o livre arbítrio, não acreditam no destino, nem pensam que há forças que interferem nas escolhas dos homens. Dizem que o destino nasce da força de vontade, da garra de dobrar os dias e a vida, da tenacidade em contornar os obstáculos. Não acreditam em coincidências ou sorte. Enfatizam que a vida se constrói com o trabalho, a inteligência, a argúcia de viver, e é o resultado do livre arbítrio, das escolhas que cada um faz no dia a dia.

É difícil saber até que ponto essas crenças iniciais, no determinismo ou no livre arbítrio, moldam a nossa vida. Elas são formas de ver o mundo e ninguém sabe em que medida são realmente capazes de alterar rumos ou interferir nos acontecimentos.

Mas todos nós já nos deparamos com situações difíceis de explicar: situações em que séries de coincidências contribuem para um determinado evento. E o que parece certo é que, mesmo nas circunstâncias mais improváveis, ou mais árduas, aquilo que nos pertence acaba se tornando nosso.


Aquilo que tem que acontecer encontra uma forma de se tornar real, – um pouco como as águas dos rios seguindo um percurso inevitável para o mar, sem que nada possa impedi-las.

Muitas vezes não se sabe como se chegou a um lugar ou acontecimento, mas quando olhamos para trás podemos reconhecer que aquele caminho sinuoso que percorremos, as dificuldades que passamos e todas as coisas que deram errado, eram somente uma forma para que, no final, tudo desse certo.

O filósofo alemão Soren Kierkegaard (1813-1855) afirmava que a vida “só pode ser vivida, olhando-se para a frente, mas só pode ser compreendida olhando-se para trás”. Isto é, para viver é preciso fixar-se no futuro, ter esperanças no que virá, mas para entender e explicar o momento presente é necessário analisar o passado.

AQUILO QUE NOS PERTENCE FOTO 02

Exatamente sobre isto Steve Jobs (1955-2011) dizia que “você não consegue ligar os pontos olhando para diante; você só consegue ligá-los olhando para trás. Então, você tem que confiar que os pontos se ligarão algum dia, no futuro. Você tem que confiar em algo – o seu instinto, destino, vida, karma, o que for. Esta abordagem nunca me desapontou, e fez toda diferença na minha vida.”

Por isso, tudo o que é sofrido, confuso e inexplicável, talvez porque não corresponde aos nossos desejos atuais, um dia terá logica e será o melhor para nós. É preciso confiar num desfecho razoável, num futuro aceitável ainda que desconhecido. Independente de se acreditar no destino, em forças divinas ou no livre arbítrio, e mesmo que nada faça sentido hoje, no futuro tudo terá uma explicação, uma razão.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.