3min. de leitura

Arara azul nasce e salva sua espécie da extinção

A ação desumana do homem na natureza é a causa de muitos problemas que nosso planeta enfrenta, mas uma das mais tristes é a extinção dos animais.

Esses seres tão especiais são nossos companheiros aqui na Terra, mas muitas pessoas os enxergam apenas como objetos com os quais podem lucrar.



Muitos animais sofrem todos os dias com a caça e com o comércio ilegal. São colocados em lugares sem o mínimo de higiene e liberdade, o que provoca sua morte e, com o tempo, o desaparecimento da espécie da Terra.

Uma das espécies que foi considerada extinta graças à ganância humana foi a arara-azul-grande (arara azul).

O mundo já estava sabendo da notícia, o que causou uma grande revolta, já que as araras são um grande símbolo da natureza brasileira. No entanto, um acontecimento muito especial mostrou que a natureza resolveu nos dar uma segunda chance.


Recentemente, foi anunciado o nascimento de uma arara azul na ONG “Associação de Ornitófilos e Aliados” em Luque, Paraguai.


A notícia rapidamente se espalhou pelo mundo e reacendeu a esperança em muito amantes e protetores de animais, já que a filhote representa a salvação de sua espécie. A ararinha está com a saúde em dia e já exibe a beleza das lindas penas azuis.

O nascimento dessa filhote é um grande presente, mas também serve para abrir nossos olhos. O nosso desejo por dinheiro, luxo e poder custa a vida de muitas espécies todos os dias.

Somos a espécie mais desenvolvida, mas não agimos como tal. Não temos o direito de tirar a vida de animais, apenas para satisfazer os nossos caprichos. Conseguimos viver perfeitamente bem com tudo o que a natureza nos oferece sem a necessidade de ferir nenhuma outra espécie.


Precisamos mudar os nossos valores enquanto ainda há tempo. A fauna e a flora são essenciais para a nossa vida neste planeta. Devemos ter gratidão pela natureza e aprender a respeitá-la.

Compartilhe essa mensagem com seus amigos!


Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.