Notícias

Arrependida? Anne Lottermann abre o jogo sobre troca da Globo pela Band

Foto: Reprodução
anne

Após deixar a Globo para atuar como apresentadora do Faustão na Band, Anne Lottermann abriu o jogo sobre a mudança profissional. A jornalista explicou nesta terça (28) como surgiu o convite para trabalhar ao lado de Fausto Silva e o que a levou a esta decisão.

“Ele me chamou para ir em uma pizza na casa dele, nem tinha roupa para ir na casa do Faustão. Na segunda ida para a pizza, ele falou comigo: ‘Gaúcha, queria que você viesse trabalhar comigo’. Respondi: ‘Fausto, obrigada, mas estou bem lá’. E realmente, não tinha nem o que reclamar, nunca tinha parado para pensar nisso”, detalhou Anne.

Em entrevista ao Programa de Todos os Programas, do R7, a profissional recordou que estava em um bom momento no Jornal Nacional: “Sabia que estava indo bem, sabia que os diretores gostam de mim. Estava indo tudo bem, mas podia melhorar, por que não?”.

“No primeiro momento, nem cogitei essa possibilidade, mas a partir do momento que falei ‘por que não?’. Por que não sair da Globo, trabalhar com o Fausto, agarrar as oportunidades? Se tem uma coisa que sempre fiz foi agarrar as oportunidades. Se não agarrasse, não me reconheceria e iria me arrepender”, prosseguiu.

Screenshot 15 10

Direitos Autorais: Reprodução/Band TV

“Hoje, com cinco, seis meses trabalhando com o Fausto, eu fico: ‘Como é que cogitei dizer não para ele?’. Era muito feliz trabalhando na Globo, mas também sou muito feliz trabalhando com o Fausto”.

Durante a entrevista com Flavio Ricco e Dani Bavoso, a jornalista também disse que começou a correr após a perda do marido, que morreu em 2017 devido a um câncer.

“Ninguém gosta de correr, a gente aprender a gostar com o tempo. Quando perdi meu marido, meus filhos sempre perguntavam: ‘Mamãe, você também vai morrer?’. Falava assim: ‘Não, mamãe não vai morrer, vai ficar aqui com vocês'”.

“Você ter que garantir isso para os seus filhos é duro, então preciso cuidar de mim, estar com a saúde em dia sempre, para eles ficarem seguros. Lendo uma vez uma pesquisa vi que a corrida diminuía as chances de você ter um câncer. Falei: ‘Pronto, vou correr!'”, pontuou.