7min. de leitura

A arte de não saber algo…

O medo de dizer “Eu não sei” começou há muito tempo. No passado, a capacidade de uma pessoa para obter emprego era baseada em sua profundidade de conhecimento e aptidão em um ofício.


Os trabalhadores recebiam treinamento intenso e geralmente realizavam uma capacitação antes de serem considerados “profissionais” e respeitados como tal. Dizer as palavras “Eu não sei” era uma acusação de incompetência.

Mas o mundo corporativo mudou.

Na força de trabalho de hoje, ter em profundidade a perícia é menos valiosa e ficou em segundo lugar, atrás do potencial. O potencial de uma pessoa e capacidade de aprender é mais importante e muito mais valioso do que o conhecimento enciclopédico sobre um tema específico.


A beleza de não saber

O nascimento da Internet criou uma enorme mudança no paradigma da informação. Agora, informação, dados e conhecimento estão, literalmente, nas pontas do dedo. O impacto da informação compartilhada em cada nível e assunto, que é prontamente disponível 24h por dia, é uma invenção maravilhosa.


Coisas que eram privadas apenas para certas pessoas e compartilhado dentro de círculos fechados é agora acessível a todos. Se você quiser saber, você pode.

A quantidade e magnitude da informação disponível é esmagadora e incompreensível. Tornou-se quase impossível ser um verdadeiro “perito”, visto que as novas informações e inovações surgem todos os dias. O paradoxo é que todos e ninguém são experts.


A mudança de compartilhamento de informações também tem impactado as normas de trabalho. Onde costumava ser tabu usar as palavras, “Eu não sei” em um ambiente profissional, agora tornou-se aceitável e esperado. Hoje as pessoas são contratadas com base em sua capacidade de processar informações e não por memorização, que é uma função muito mais notável do cérebro.

Nossos cérebros passaram de recipientes de armazenamento para microprocessadores multifacetados. A sua capacidade de reunir, compreender, avaliar, sintetizar, aplicar e criar novas informações é o seu atributo mais atrativo, não a sua base de conhecimento atual.


Abrace o termo “Eu não sei”

Quanto mais rápido você aceitar o fato de que você não sabe tudo sobre qualquer coisa, melhor será para você e aqueles ao seu redor. Você vai aliviar-se de estresse excessivo no trabalho e você muda o seu cérebro para um Estado contínuo de aprendizagem.

Ao se admitir não saber de algo, já reduz toda a desinformação que permeia nosso sistema de informação. A verdade é que seu chefe não se importa se você pode ou não produzir informações no local. Ele ou ela está mais interessado em saber se você pode ou não encontrar a informação correta rapidamente e aplicá-la corretamente.

Não saber de algo é o primeiro passo para se aprender algo novo, esta é a receita para o crescimento contínuo, humildade e oportunidades.


Como saber o que você não sabe

Agora é hora de entender como concluir o processo e fechar o ciclo. Não ter conhecimento é aceitável, mas o fracasso em corrigir a lacuna de conhecimento não é.


Descubra o que está faltando

O primeiro passo (depois de admitir a sua ignorância sobre o assunto) é garantir que você entenda exatamente quais informações você precisa fornecer.

Nada é pior do que um mal-entendido sobre o que a outra pessoa precisa e acabar buscando algo completamente diferente. Certifique-se de quais informações você está buscando para reunir e sintetizá-las e depois descobrir como devem ser apresentadas. Este é um primeiro passo, simples, porém crítico.


Pense através do que você já tem

Agora vem a parte do processo onde você recolhe as informações necessárias.

Assegure-se de que suas fontes sejam confiáveis. Leia as informações e, em seguida, coloque-as em duas categorias: o que você sabe e entende e o que você precisa saber ou precisa esclarecer mais.

Faça uma lista de conceitos que você precisa pesquisar mais detalhadamente. Definir e avaliar claramente a informação é o primeiro passo no pensamento crítico.


Preencher as lacunas do conhecimento

Concentre sua energia em pesquisar as coisas que você não sabe ou não pode articular claramente. Use informações de especialistas daquele ramo. Comece de uma fonte original tal como um estudo da pesquisa e trabalhe a partir daí.

Leia um resumo primeiro, em seguida, blogs, artigos, livros e vídeos que se baseiam nesta pesquisa fundadora. Isso vai ajudá-lo a compreender se as fontes secundárias estão certas. Isso não só irá ajudá-lo na compreensão da informação, mas a leitura de materiais “mais leves” também ajuda a encontrar o vocabulário e outras ferramentas (gráficos, infográficos, vídeos, podcasts, etc) que podem ajudá-lo a explicar com precisão os conceitos.


Sugerir medidas

Você precisa  compreender as informações, criar um plano de ação.

Seu curso de ação depende do pedido inicial. Se você é solicitado a apresentar as informações para fins de conhecimento apenas, planeje seu método de apresentação em conformidade.

Se você deve fornecer uma solução ou recomendar um curso de ação com base em suas descobertas, certifique-se de usar uma abordagem de pesquisa estruturada. O uso de um método de pesquisa estruturado vai ajudá-lo a fazer uma decisão baseada lógica que tenha passado por vários testes. Também ajudará na captura e mitigação de uma lógica errada que seja inerente a qualquer processo de tomada de decisão.

_______

Traduzido pela equipe de O Segredo  Fonte: Life Hack





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.