3min. de leitura

As imperfeições nos mostram o “fora da caixa”, têm um tom de liberdade, sem frescura ou ditadura

Adoro as imperfeições! São lindas! Elas são inspiradoras, cheias de possibilidades!


As imperfeições não nos julgam, são interessantes, improváveis, têm um tom de liberdade, sem frescura ou ditadura. As imperfeições nós mostram o “fora da caixa”, além das fronteiras. O inesperado que pode ser conduzido onde se quer chegar. São impregnadas de autoestima e de convencimento. Saem da mesmice, saem do padrão, têm sabor de aventura, de crescimento!

Já percebeu que os melhores resultados normalmente vêm dela? Não? Sou convicta em dizer que sim. Imperfeitos que somos, abrimos a mente. Não nos autoflagelamos, porque algo saiu errado da primeira, segunda ou terceira vez. Surgem alternativas, muitas delas.

As imperfeições vestem-se de humildade, delicadeza e entrosamento. Não são eternas, nem empacotadas!  Imperfeições são táteis, reais e palpáveis. Não estão na escala acima em lugares inalcançáveis. Elas nos fazem arregaçar as mangas, melhorar o traço original e buscar o melhor contorno. Mas nunca a perfeição.


A perfeição é estática. É dura. É rígida! É um ponto final. Prontinha demais. Sem possibilidades! Chata!

A imperfeição traz adrenalina, serotonina e conquistas! Um conjunto de reticências… ela é apaixonante e nos tira da zona de conforto, aquela zona em que nada acontece. Por vezes, ela pode ser assustadora, concordo, mas isso pode ser muito excitante! Teste, depois conte-me!

Não precisamos ter o controle de tudo sempre. A imperfeição nos faz pensar, produzir e ouvir o que se tem dentro do peito! Ela não se importa de recomeçar quantas vezes for necessário. Ela é atrevida, ousada e descabelada. Ela não nos aponta o dedo, não é crítica. Ela é uma viagem com muitos caminhos e muitas direções.

Já viu quanta personalidade têm as imperfeições? São lógicas através de tanta ilógica. Não têm idade, nem cronologia.


As imperfeições só não têm empáfia e são incapazes de ferir alguém. São abarrotadas de empatia. São tão maduras!

Sabe aquele arrepio gostoso na nuca que corre pela espinha? Pois é…

Por Pathy Bertão… a imperfeita!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: paffy/123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.