5min. de leitura

As lentes da paixão mudam nosso grau de visão…

No início tudo são flores e paixão. Ah, mas com o passar do tempo tudo muda, não é mesmo?! Mas, pode mudar para melhor, não é?

Quais são suas crenças sobre relacionamento? Será que elas não estão te atrapalhando?


Ao longo da minha vida profissional percebi dois erros que são os campeões basicamente na dificuldade nas relações:

  • Acreditar que o que hoje me incomoda na relação vai mudar e desaparecer depois;
  • Os opostos se atraem.

Veja esta história do rei e Sabrina primeiro, depois continuamos nossa reflexão:

Muitas vezes o que me atrai no outro é algo que eu não tenho, algo que é bem diferente da minha forma de ser, de agir, de pensar… aí é que mora um dos perigos dos desgastes das relações. Se o outro é muito diferente do que eu sou, ou penso, como vou conviver com isso cinco anos, 10 anos, 20 anos…

Se o outro tem hábitos bem diferentes, será que, com o passar do tempo, vai continuar sendo interessante?


Quando iniciamos uma relação, as lentes da paixão mudam o quadro para melhor e, com o passar do tempo, o desgaste da rotina, do stress, da vida, pode mudar completamente o grau dessas lentes por falta de cuidado nosso.

Viram o exemplo da relação do Rei e da Sabrina? No início, os atos eram vistos com as lentes de um determinado grau e, depois, quando a relação estava desgastada o grau de visão dele mudou completamente.

A forma de Sabrina agir não mudou, a forma de olhar dele é que mudou.

Já aconteceu isso com você?


O que fazer?

Precisamos ter cuidado ao avaliar situações que aconteceram há um tempo, prestando atenção se o resultado da nossa avaliação é o mesmo, ou não. E, se não é o mesmo resultado, é necessário a gente olhar para dentro primeiro. Ver o que aconteceu com a gente, o que foi acontecendo com a relação. Não podemos buscar no outro a culpa pelos nossos erros, pelas nossas avaliações malfeitas, pelos nossos vazios, pelas nossas frustrações, pois numa relação a gente tem, no mínimo, 50% de responsabilidade sobre o ocorrido.

Como na história que falei acima, se a atitude de Sabrina, por exemplo no caso da fruta, foi carinhosa lá no início da relação, porque depois de alguns anos mudou esse olhar, transformando a atitude em grosseira, ou egoísta?

Não foi ela que mudou, foi o olhar dele, por causa de seus sentimentos agora cheios de emoções negativas. Por isso, precisamos ter muito cuidado! Podemos estar sendo injustos quando avaliamos algo que aconteceu no passado da nossa relação, pois dependendo do momento em que estamos, podemos avaliar com as lentes das emoções negativas, algo que antes foi visto com as lentes das emoções positivas.

Devemos sempre procurar avaliar todo o trajeto percorrido, o que aconteceu desde o início da relação. Afinal, para sermos bem justos e coerentes, precisamos ver todos os ângulos possíveis dos fatos, ou, corremos o risco de não sermos justos para com o outro e, claro, para conosco.


Seis dicas fundamentais para que tudo o que falei não aconteça:

  • Mantenha o foco no presente. Tenha consciência de cada ato seu, pois assim as tomadas de decisão serão mais centradas no equilíbrio entre razão e emoção.
  • Pratique sempre a empatia, coloque-se no lugar do outro, procurando realmente sentir e perceber as necessidades do outro, seus sofrimentos…
  • Lembre-se sempre das coisas boas que a pessoa ao seu lado tem, principalmente quando vierem as negativas apenas.
  • Procure aproveitar sempre as oportunidades de crescimento, seja pelo amor, seja pela dor.
  • Antes de buscar novas emoções e conquistas, renove as emoções e as conquistas nessa mesma relação.
  • Na medida do possível, não tome decisões quando a raiva, a mágoa, ou o rancor estejam presentes.

Agora pense, reflita, sinta… coloque em prática e reinvente sua relação.

Grande abraço!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: boggy22 / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.