As lutas dos nossos pais…

Quando somos pequenos, crianças, doces e inocentes, por diversas vezes não nos damos conta do que realmente passa ao nosso redor.  As lutas de nossos pais, as carências que eles sofrem. Pensamos apenas que são adultos, e que podem tudo.

A nossa roupa está sempre lavada e o armário com mantimentos cheio, temos roupa para ir ao colégio, sair com amigos. Desejamos uma festa de aniversário e, muitas vezes, realizamos esse sonho. Às vezes, a festa não era como a de nosso sonho e não nos colocamos contentes como deveríamos, porque não tivemos tudo que queríamos e não fazíamos (alguns de nós) ideia do imenso esforço que nossos pais fizeram (ou só um deles, quando não temos os dois juntos) e fazem para nos alegrar, nos deixar contentes e se dar conta do quanto é importante para eles sentirem que estamos felizes com nossa realidade.

Não estou dizendo que temos que fingir, mas estou comentando que nem todos puderam se sentir felizes quando brincaram fazendo bolinhas de sabão com detergente, o sabão da roupa que sua mãe lavava no tanque e você, inocentemente, fazia companhia e brincava ao seu lado, fazendo bolinhas de sabão.

Quem nunca brincou com os dedos, fingindo que eram amigos, irmãos, companhias que só nos víamos? Criando vozes para cada um deles. A doce inocência nos permitia viver em outro universo, a viajar em estórias lindas como as dos livros, dos filmes.

Aí, chega aquela idade na qual nos colocamos mais rebeldes, menos amorosos, cheios de altos e baixos. A fase egoísta, das descobertas, aquela que nos sentimos adultos quando estamos julgando e crianças quando estamos sendo controlados. Pensamos que podemos tudo, que os outros não se esforçam tanto como deveriam ou que somos realmente mais inteligentes e espertos do que aqueles que estão ao nosso redor. Tudo isso passa, quando chegamos aos vinte e tantos anos.

E quando estamos chegando aos 30, algumas fichas caem em nosso consciente. E é aí que começamos a nos dar conta do que realmente é a vida, e os esforços que temos que fazer pelo outro, seja por cuidado, respeito ou simplesmente amor.

A idade adulta chega e chega com tudo, atropela, se não nos policiarmos para aproveitar cada fase da vida e as situações que nos chegam diariamente.

Refletir tudo isso, é fazer com que sua alma se desculpe consigo pelas culpas que estão presas em seu subconsciente, e seguir adiante vendo a vida por outro ângulo, é rever o verdadeiro valor dos esforços de quem te deu a vida, o carinho de pai, mãe, avós que são pais ou pais adotivos. Eles lhe deram não somente comida, mas o tempo deles, abriram mão de seus sonhos por você. Poder rever isso resolve muitas dores internas.

Com apenas um abraço, em pensamentos, visualize quem você quer abraçar e resolva internamente suas dores, rancores, saudades e mágoas com essa pessoa.

Sorria mais e sua vida passará a ser mais leve!

_________

Direitos autorais da imagem de capa: stockbroker / 123RF Imagens



Deixe seu comentário