Às vezes, abandonar o barco é uma decisão sábia

Começo esse texto parabenizando-o pela  coragem de ter desistido daquilo que tanto o incomodava.

Parabéns por ter se posicionado e pensado em você. Você foi muito guerreiro(a) por ter chutado o balde e saído daquele emprego no qual  sentia-se profundamente desvalorizado e infeliz, e hoje encontra-se diante da possibilidade do recomeço.

Não foi e não é fácil, acredito. Provavelmente, você esteja enfrentando severas críticas de amigos e familiares. Mas, entenda, você não fracassou ao desistir daquele emprego, você, na realidade, resgatou a sua dignidade. Confie, novas portas se abrirão para você.

Parabenizo a você que ficou tantos anos vivendo uma relação afetiva infeliz. Aliás, pensando bem, será que você viveu mesmo uma relação afetiva ou um tormento?  

Certamente, foi muito difícil para você conseguir romper, isso é perfeitamente compreensível, pois as rupturas são sempre carregadas de dores e angústias, por mais conturbada que seja a relação.

São muitas questões para se levar em consideração, eu entendo. E acontece de muitas pessoas optarem por uma vida infeliz e amargurada, por receio de serem julgadas como egoístas ou inconsequentes ou por medo de sentirem-se desamparadas, como se já não estivessem vivendo dessa forma na relação.

Não importa se um novo amor vai chegar em breve ou se continuará sozinho(a) por um longo tempo, importa é que você teve a capacidade de se posicionar, mas, hoje, caminha sem aquele peso em sua vida.

Talvez você já tenha ouvido a expressão “fulano fracassou no casamento”, mas, acredite, é melhor um casamento fracassado do que viver infeliz pelo resto da vida. É preciso muito cuidado para não permitirmos que esses dedos que a sociedade nos apontam ditem a forma como devemos viver.

Sem falar que, muitos que criticam alguém que teve a coragem de sair de uma relação infeliz, sentem inveja, pois percebem que alguém tomou a atitude que eles gostariam de tomar, mas não têm coragem.

Acredite, há, sim, vida após a separação. Deixando claro que não estou fazendo apologia ao divórcio, apenas não concordo que alguém tenha que viver como um morto-vivo dentro de uma relação falida onde não há sequer respeito, que dirá, amor.

Palmas para você que desistiu de continuar com aquela “amizade”, ao se dar conta de que o(a) amigo(a)  era só você, o  outro apenas tirava proveito. Não sinta remorso por isso, você merece um prêmio por ter dito “chega” àquele sanguessuga.

Uma coisa é fato: quando optamos por nos tratar com respeito e zelo, tudo muda ao nosso redor. Inclusive, pode acontecer de experimentarmos a sensação de solidão por algum tempo, isso porque as pessoas com as quais nos relacionávamos nos mais variados contextos perceberão que não somos mais os mesmos. Elas se depararão com a nossa nova versão que causarão um grande desconforto nelas.

Então, ao perceberem que, com essa nova criatura elas não terão abertura para praticarem os abusos e os desrespeitos de antes, só lhes restarão uma alternativa: saírem de cena. Mas não devemos nos preocupar com essa aparente solidão, trata-se apenas de um período de reconstrução das nossas relações.

Outras pessoas chegarão em nossas vidas, trazendo aquilo que, de fato, agrega numa amizade, e receberão, também, o nosso sagrado. É vida que segue!


Direitos autorais da imagem de capa: Pixabay



Deixe seu comentário