ColunistasReflexão

Às vezes não depende só de nós…

ÀS VEZES FOTO DE CAPA

Eu já começo este texto arriscando dizer que muitas coisas não dependem única e exclusivamente de nossas vontades, das nossas mentalizações e do que determinamos ao Universo.



Se assim fosse, aquele menino ou aquela menina por quem nos apaixonamos lá na adolescência e nunca nos correspondeu, teria cedido aos nossos encantos. O motivo, bem simples: a paixão era nossa.

Ele ou ela estavam em outro momento, com os olhos voltados para outra pessoa ou então, não estavam a fim.

Aquele prêmio, aquela vaga, aquele presente, aquele convite que esperamos tanto ficou somente em nossos planos. Existiu o desejo, mas não existiu a realização do desejo. Não pelo menos à nossa maneira.


as-vezes-foto-01

A psicologia fala das manifestações externas. E eu acredito nos eventos externos, nos desejos do outro que nem sempre estão de acordo com o meu e que este outro pode estar buscando o mesmo que eu. E os objetivos se confrontam, se disputam.

E quem sabe não é o momento de tentar medir forças, de se decepcionar. É preciso ponderar e compreender que por mais otimistas que sejamos e que o Universo conspire a favor das pessoas positivas, estas também já tiveram sonhos adiados e precisaram recomeçar e reescrever suas histórias.

Não, também não é para procurar culpados pelo que não dão certo. Culpas machucam. Elas vêm cheias de desculpas e de remorsos. Pode haver alívio responsabilizar o outro, o dia, o planeta. E isto não leva a nada. É necessário entender que nem sempre as coisas se tornam reais.


Mas há muitos acontecimentos que parecem feitos para que fôssemos os protagonistas, aconteceram por nós. Isto também não dependeu única e exclusivamente dos nossos anseios. Houve vontade de outras pessoas em colaborar, em torcer, em fazer acontecer.

Pois é, não somos uma ilha, nem temos poder sobre as coisas. Não dominamos os outros, nem sempre os convencemos a fazerem por nós. Surgem muitos não, talvez, quem sabe. Ficamos no meio do caminho pensando em resistir, insistir, mas não adianta, não é para nós.

Você já ouviu alguma vez a frase “não foi desta vez”? Então, se dependesse unicamente de nós, teria sido naquela hora, naquele dia e naquele lugar. Não teria sido em outro momento, não haveria espera. O agora teria sido o ideal.

Tudo pode acontecer, assim como pode não acontecer. É bom lidarmos com estas situações e com as decepções. Temos receio do fracasso? Claro que temos. Não é a melhor coisa do mundo recomeçar quando tudo parecia certo. Há sentimento de derrota diante dos outros e de nós mesmos.


as-vezes-foto-02

Mas quando não dá certo é importante parar e entender que o que acontece lá fora não corresponde ao que acontece aqui dentro. E que algumas coisas têm seu tempo, outras, nem ele nos traz. E parar de desperdiçar tempo querendo respostas para o que não deu certo, aí sim, depende de nós.

A vida passa como um relâmpago numa noite de trovoada…

Artigo Anterior

Carl gustav jung e sua inesquecível entrevista para a bbc em 1959:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.