Comportamento

Assistente social não recomenda que crianças vão a noites do pijama: “Você não sabe quem estará na casa”

Foto: Reprodução
capa Assistente social nao recomenda que criancas vao a noites do pijama Voce nao sabe quem estara na casa

A mulher deu a sua opinião nas redes sociais, mas muitas pessoas não concordaram com ela. Leia e tire as próprias conclusões!

A paternidade e a maternidade são talvez as funções de mais responsabilidade. Cuidar de nossos filhos, protegendo-os de tantos males, fazendo deles prioridade desde que chegam a este mundo.

No entanto, cada um de nós tem concepções próprias do que pode ou não ser perigoso para os seus pequenos, e as divergências podem ser polêmicas.

Enquanto alguns pais aconselham seus filhos a jamais falarem com estranhos e fazem questão de levá-los e buscá-los de todos os eventos até que sejam maiores de idade, outros acreditam que os filhos precisam conhecer um pouco de liberdade para que aprendam a ser responsáveis por si mesmos desde cedo.

Os pais mais “liberais” provavelmente não veem problema em seus filhos visitarem a casa de seus amiguinhos e até mesmo dormir nesses locais, nas famosas “noites do pijama”.

Esses eventos tradicionais fazem parte do período de crescimento de muitas crianças. Nas noites do pijama, os amigos se reúnem na casa de uma família específica e passam tempo brincando ao ar livre, assistindo a filmes, driblando os videogames, entre outras atividades.

Para outras pessoas, essa pode ser uma das experiências mais perigosas às quais podemos submeter nossos filhos. A assistente social Heather, conhecida no TikTok pelo usuário @hypothetically_heather, é uma das pessoas que fazem parte do segundo grupo. Ela usou o seu perfil na rede social para protestar contra essas noites entre amigos, e apresentou suas razões.

2 Assistente social nao recomenda que criancas vao a noites do pijama Voce nao sabe quem estara na casa

Direitos autorais: Reprodução TikTok / @hypothetically_heather

Opinião impopular: os pais não devem deixar os filhos passarem a noite com os amigos“, afirmou Heather no começo do vídeo. Como já sabia que seu comentário seria polêmico, a assistente social já avisou que, antes de as pessoas julgarem, deveriam assistir a um trecho de uma reportagem que colocou no fundo do vídeo.

Trata-se da entrevista com uma mãe dos EUA que contou o que aconteceu com sua filha de 12 anos num desses eventos. A menina foi torturada, espancada, teve o rosto cortado e foi queimada com isqueiros, além de ser mantida em cativeiro e ter o cabelo raspado.

3 Assistente social nao recomenda que criancas vao a noites do pijama Voce nao sabe quem estara na casa

Direitos autorais: Reprodução TikTok / @hypothetically_heather

Heather disse que as noites do pijama oferecem o risco de seus filhos serem abusados. A grande lição a ser aprendida nesse exemplo, segundo a assistente social, é que os pais não sabem quem estará na outra casa ou como as crianças serão supervisionadas, mesmo que pensem que conhecem as famílias.

Heather finalizou seu vídeo dizendo: “Apenas diga ‘não’ às noites do pijama”. A publicação já conta com 2,5 milhões de visualizações, e como era de esperar, diversos usuários da rede social manifestaram sua opinião nos comentários, o que virou polêmica.

Várias pessoas afirmaram estar “100% de acordo” com Heather, justificando-se. “A única pessoa em que seu filho pode realmente confiar é você. Não sei como as pessoas não entendem isso”, escreveu um dos apoiadores da mulher.

4 Assistente social nao recomenda que criancas vao a noites do pijama Voce nao sabe quem estara na casa

Direitos autorais: Reprodução TikTok / @hypothetically_heather

“É por isso que minha mãe tinha que conhecer os pais das pessoas com quem eu andava. Se ela não conhecesse os pais…, sem noite do pijama”, acrescentou outra pessoa.

Aqueles que discordavam também deram suas opiniões. “Não é porque aconteceu com essas pessoas que acontecerá com todos. Eu ia a noites do pijama o tempo todo. Sempre me fez uma criança mais feliz”, pontuou alguém. “Isso é como dizer: ‘não mande seu filho para a escola porque alguém pode atirar nele’. Nem todos os amigos são assim”, escreveu outro usuário.

No fim das contas, a decisão sempre fica para os pais, mas é muito importante que eles considerem a segurança dos filhos antes de lhes dizer “sim” ou “não”.

0 %