4min. de leitura

Autista é anjo em forma de gente, ele expressa o amor mais puro que existe

Minha pele tem as cicatrizes de amor de um autista.


Só pode falar de um autista quem convive com um. Para falar de autismo, é preciso ter propriedade, viver ou ter vivido o dia a dia dele. Antes de falar de autismo, é necessário ter experienciado uma crise, um choro, uma raiva, um gesto de amor…

O autista não tem crises de raiva, tem excesso de amor que explode em suas ventas. O autista é puro, sem maldade, é sincero, é Id puro.

Para conviver com um autista tem de ser merecedor, não é para qualquer um, é ter a dádiva de receber o amor mais puro, mais nobre e mais sincero. O amor por um autista é incondicional, é você chorar para que ele se acalme, é abraçá-lo para suavizar a sua dor e depois ter o olhar de gratidão e amor por você.


Conviver com um autista é a maior experiência de vida que alguém pode ter, é saber exatamente o que é amor de verdade.

Posso dizer, por experiência própria, que esse foi o maior aprendizado da minha vida, a parte mais bela e mais nobre que pude vivenciar. Senti na pele a dor das mordidas num momento de crise e, no minuto seguinte, o amor mais puro e profundo.

O autista não gosta muito de se expressar pela fala, mas quando se tem sensibilidade, você se comunica apenas com o olhar, você entende tudo o que ele quer e está em seus nobres pensamentos quando ele olha para você.


Trago na minha pele as cicatrizes de um amor puro, de alguém que não conseguia expressar em palavras as suas angústias, então ele mordia. Hoje, essas cicatrizes servem para eu nunca esquecer o que é um amor puro, é para eu nunca perder a sensibilidade e amor pelo próximo e me lembrar que aprendi muito mais do que ele.

Decidi meu futuro profissional pela passagem de um autista na minha vida, quando eu era estagiária de Pedagogia, ali entendi que ser só professora não bastava para compreender a mente humana, pois eu só conseguiria ajudar o próximo, se eu tivesse a compreensão dele. E foi convivendo com uma joia de 8 anos que descobri o meu propósito; uma criança me mostrou o caminho, me deu a direção.

Hoje sou psicanalista graças ao Fê, ele não sabe e nunca vai entender, mas o mais importante é eu saber que, por meio dele, pude ser um ser humano melhor.

Agradecer a ele é pouco pelo muito que aprendi, cresci como ser humano e me tornei muito mais forte, mais paciente, menos negligente, mais compreensiva, mais tolerante, aprendi o momento certo de acolher, de acalmar, de encher de carinho, de ser firme.

Compreendi que amor não é você ouvir as palavras “eu te amo” e, sim, sentir o abraço de um autista, porque, se ele nos abraça, é porque nos ama de verdade, sem pedir nada em troca. Minha gratidão eterna por ter sido merecedora desse amor.

Autista é anjo em forma de gente, ele expressa o amor mais puro que existe, basta ter o amor no coração para compreendê-lo.

Carta de agradecimento de uma psicanalista para o maior amor da sua vida, um autista chamado Fê.

 
Obs.: Essa é uma história real vivida por mim.

 

Direitos autorais da imagem de capa: Anna kolosyuk/Unsplash.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.