publicidade

Autoconhecimento: inteligência energética

O autoconhecimento é o ponto de partida para desparadigmar e transformar a própria mente e vícios emocionais. Através dele, podemos alcançar altos voos, chegar a diferentes destinos, sem sair do lugar.



A liberdade da mente pode permitir a transcendência da alma dentro do Cosmo. Uma pessoa que não avalia os seus próprios medos, TOCs, suas mazelas emocionais, como, por exemplo, a insegurança e inferioridade,  não (re)conhece os motivos que podem gerar seu próprio desequilíbrio. Consequentemente, pode não ser capaz de manter o equilíbrio dos aspectos trifásicos proclamados pela Suprema Inteligência Divina: espírito, energia e matéria.

O autoconhecimento é o ponto de partida para transcender a alma a uma liberdade indescritível e “inominável”.

No plano terreno, autobservar-se em terceira pessoa, no estilo narrador-observador, pleonasticamente falando, é o primeiro passo para você saber o que almeja em relação ao sucesso profissional, para se autotransformar mental, espiritual e socialmente. Ou seja, para equilibrar-se.  Muitas vezes, (re)conhecer o erro do outro é muito mais fácil, não há aqui um tom crítico sobre isso, afinal isso é intrínseco à conduta humana.

É muito difícil mudar o comportamento de outrem, principalmente quando essa pessoa parece ter uma opinião formada em relação a tudo, até mesmo sobre a própria capacidade de autotransformar-se.

Uma vez, em uma apostila para adolescentes, li uma explicação didática sobre a teoria do Foucault: autoconhecimento é reconhecer os seus próprios defeitos.

Tal filósofo ressalta a importância do autoconhecimento para que a pessoa possa passar pelas três etapas: autoconhecer-reconhecer suas mazelas-(re)transformar as suas atitudes e agir socialmente como líder transformador da realidade social.


Após essa descoberta feita pelo íntimo do ser, pela autocrítica, sem apontamentos externos, é que realmente pode se autotransformar. Enquanto não se chega ao ponto máximo da autorreflexão sobre as próprias atitudes, fica difícil promover o autodesenvolvimento espiritual e psicológico, assim como exercer qualquer mudança no meio, seja em um ambiente familiar, social ou político.

Muitos conflitos sociais se iniciam pela dificuldade em lidar com as manias, com as “neuras” e com a preferência do outro. E o pior… muitas vezes, gasta-se uma energia enorme em tentar mudar aquilo que só pode ser transformado por uma pessoa: ela própria. Nesses casos, é mais inteligente ENERGICAMENTE aceitar o próximo do jeito que é, as coisas como ela são (na verdade, como somente ESTÃO), e mudar o que está ao alcance: si próprio.


Quando alguém não muda, nós é que mudamos. Como? Aceitamo-lo como são, praticamos menos conexão mental com a pessoa, diminuímos a convivência, quantificamos as qualidades sobre os defeitos, buscamos qualquer ajuda terapêutica válida para tal. Há ainda outra prática de inteligência energética: compreendermos que elas são como a atual encarnação…só estão “de passagem” na sua vida, por algum princípio da lei do universo/processo cármico. Tal convivência só serviu como forma de aprendizado para o processo de amadurecimento espiritual. Ou, sabiamente, deixamo-la ir, sem olhar para trás.

Aliás, tudo é passageiro, e esse é o ponto de chegada sobre o autoconhecimento: tornar-se livre das próprias algemas mentais. É ser energicamente inteligente para compreender que “a vida é trem bala (…) e nós somos passageiros prestes a partir” (VILELA, Ana).

É parar de querer controlar os instintos dos outros é perceber que, às vezes, o problema está na forma como nos relacionamos com as situações e com as próprias emoções.

É preciso deixar para lá as manias, os sentimentos, vontades e perspectivas de vida dos outros quando isso altera o nosso estado de espírito. Só se silencia a boca quando se aprende a ouvir o silêncio interno, que pode ter muito mais a nos dizer do que qualquer opinião ou debate exterior.  É preciso aprender a desenvolver a inteligência energética …saber a hora de equilibrar a razão e a emoção e pensar à luz de Raul Seixas, o qual preferia ser uma metamorfose ambulante a ter aquela velha opinião formada sobre tudo.

O autoconhecimento poder ser um antídoto poderoso para o equilíbrio energético (físico, social, mental e espiritual) e poder ser alcançado a partir de taL perspectiva: reflexão interior.

Chega a ser difícil delimitar o autoconhecimento como meio de transporte para dar acesso à liberdade, pois delimitar/autoconhecimento pode ser considerados antônimos, logo soa como ideia paradoxal. Sobre tais anseios, Clarice Lispector se posicionava contundentemente: “Liberdade é pouco, o que quero ainda não possui nome”. É por aí o tal poder inominável do autoconhecimento, justamente por poder transcender as barreiras que a própria mente constrói, por pode ser uma forma de expandir a consciência para além das pequenezas das relações humanas.

Sintonizar-se com o seu eu espiritual é um antídoto poderoso contra conflitos internos causados por hábitos tóxicos humanos.

Quando o outro não muda, mudamos nós. É a tal da inteligência energética… É autoconhecimento “que se chama, né?!”


*Fonte de pesquisa para o artigo: RAMATÍS. O Evangelho à luz do Cosmo. Obra psicografada por Hercílio Maes. 10 ed. Editora do Conhecimento, 2012. Ramatis explica que os mestres orientais, para facilitar a compreensão de Deus, conceituou o Universo como constituído sob o aspecto trifásico: Espírito (estático, equilíbrio), Energia (dinâmico, movimento) e Matéria (morfológico).


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 2mmedia / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.