publicidade

Autossabotagem. Conheça a origem sistêmica dessa força que não nos permite prosperar!

Muitas pessoas quando começam a prosperar, crescer pessoal, acadêmica, profissional e financeiramente, sentem em sua alma que estão se afastando de sua família de origem, dos seus pais que tiveram menos condições, talvez de seus irmãos que não foram bem-sucedidos.



Sentem-se bem por progredir e ao mesmo tempo mal por se afastar e diferenciar-se da família.

“Receba em sua mente e, sobretudo, em seu coração a permissão de seus ancestrais para fazer sua vida de maneira diferente”. – Bert Hellinger

É o início de um conflito interno que frequentemente põe tudo a perder. Sensações de afastamento, solidão e culpa invadem a percepção ou permanecem subliminares, e devido à essa incongruência, essas forças ambivalentes que lutam dentro de si, tudo começa a “dar errado”.


Geralmente, perdem o que conquistaram, vão à falência, são enganados, fazem maus negócios etc. Assim, novamente tornam a se assemelhar e reaproximar de sua família.

Conhece alguém que passou por essa situação?

Atendi há poucas semanas uma paciente de seus 30 e poucos anos, muito capaz, trabalhadora e determinada, que veio do Nordeste para conquistar seus objetivos.

É nascida de família humilde, sem estudos, e que lá permaneceram mãe e vários irmãos. Ao chegar, passou por diversas dificuldades, problemas de relacionamento e profissionais, mas com sua vontade e persistência, conquistou várias coisas, conseguiu estudar, aperfeiçoar-se, morar sozinha e se sustentar.


De repente, quando tudo parecia ir muito bem, perdeu o emprego e há seis meses vive fazendo “bicos”, na iminência de em breve não poder mais arcar com seus compromissos. Culpa a “crise” do país.

Conversando, investigando e buscando vislumbrar o invisível, o que ainda não se desvelara, ocultando-se atrás das estórias e justificativas, descobri que ela se sentia muito triste e preocupada com sua mãe, a quem ajudava, pois era a única dos diversos irmãos que conseguia fazê-lo.

Segundo ela, sentia que os irmãos não a recriminavam “diretamente”, mas sim veladamente, e um deles a recriminava “no olhar” por não ajudar mais, e não conseguia suportar essa situação.

Chorou copiosamente ao relatar tais fatos. Sentia-se muito culpada por ter conquistado mais que sua família, por sentir-se “mais” do que eles, por tê-los “abandonado” em situação de penúria e agora por estar distante e não conseguir nem mais ajudar da mesma maneira.

Logo, previa, não teria como se sustentar e precisaria voltar para sua família.

Percepções equivocadas, porém, muito reais, de que ela ia contra as Leis da Vida, que ao menos conhecia: da hierarquia ao sentir-se maior que seus pais e irmãos, do pertencimento, por sentir-se excluída e muito diferente da família, e da troca, por dar muito e receber pouco.

Pude captar em seu campo todos esses sentimentos ambivalentes, a vontade de crescer, conquistar suas metas e poder ajudar, e por outro lado a culpa por ter partido, e não conseguir fazer muito por eles.

Não admitia ser feliz e bem-sucedida enquanto eles sofriam. Estava se afastando do padrão familiar, crescendo, ampliando seus horizontes, enquanto eles permaneciam na situação conhecida.

Esse misto de sensações e sentimentos invadia sua consciência forçando-a, através da culpa, a abrir mão de seus projetos, roubando sua força e sabotando seus esforços.

Todos sabemos onde isso termina.

É a famosa e tão comentada “autossabotagem” (ou autoboicote), movimento individual que tem origem sistêmica e ocorre por necessidade de manter-se “leal” à familia, a fim de permanecer na “boa consciência” junto ao clã.

A dor da separação da família de origem, para quem não está pronto, pode ser insuportável, gerar culpa imensa e causar a sensação real de ser “puxado” de volta para a condição anterior, como se houvesse um “elástico” invisível preso às costas.

Quanto mais tenso fica esse elástico sistêmico, a cada passo em que nos afastamos da origem, maior a força que nos puxa de volta.

Só conseguimos caminhar até o limite do possível, cada vez com mais dificuldade. A um certo ponto, a nossa força e velocidade para caminhar diminuem, até zerar, e a atração para trás é maior do que podemos lidar.

Retornamos à grande velocidade para onde já estivemos, culpando o acaso, a conjuntura política, a economia etc. Nos sentimos muito “mal” pelas perdas, mas, ao mesmo tempo “inocentes” e na “boa consciência” com nossa família, novamente próximos à nossa origem.

Essa história tende a se repetir continuamente, a não ser que olhemos de uma nova perspectiva e busquemos uma solução sistêmica.

Em uma constelação familiar, podemos constatar que essa temática pode pertencer ao campo sistêmico, vinda de gerações anteriores à de nossos pais.

Talvez eles mesmos passam por situações difíceis por viver representando emaranhamentos que vem de gerações anteriores. Nada ocorre por acaso, e a dinâmica se perpetuará enquanto não for olhada e trazida à consciência, a sombra assumida e vivenciada, for feita a desidentificação e então redirecionarmos todo o sistema novamente para o Amor e para a Vida.

A solução consiste em olhar para todas essas pessoas, nossos pais, nossos antepassados, os que foram excluídos, não reconhecidos, não honrados, tomar a todos, agradecer pela Vida que fizeram chegar até nós, aceitar, honrar e respeitar seus destinos, e pedir autorização e bênção para sermos bem-sucedidos, e assim levarmos nossa linhagem a um bom destino, à prosperidade, ao sucesso e à Vida.

Quando em equilíbrio, nosso sistema quer que a Vida continue adiante, através de nós e de nossos descendentes.

Nosso fracasso e insucesso não servem ao sistema. Nosso sucesso, que vem de tomar todos que chegaram antes de nós, leva em triunfo nosso sistema familiar adiante, isso é bom e desejado.

Após a constelação, os representantes se sentem mais leves, soltos dos emaranhamentos que perpetuavam as vivências de fracasso e insucesso no sistema e podem assim caminhar adiante para um destino melhor e mais saudável para todos, os que já vieram, e os que ainda virão.

Para minha paciente, a solução naquele momento foi levá-la a uma meditação na qual olhava para sua família, seus pais, seus ancestrais, e agradecia pela Vida que chegou através de cada um deles, por serem os pais certos para ela, reconhecer e aceitar seus destinos, e pedir bênção e autorização para seguir adiante, tendo sucesso, prosperidade e levando o sistema a evoluir junto com ela.

Ao final, as lágrimas de antes se transformaram em um sorriso de leveza, de paz e a ressignificação de vários sentimentos e percepções, e a autorização para seguir para a Vida e para seu destino, com suas próprias escolhas.

É muito gratificante estar presente e testemunhar tantas vidas em movimento, poder de alguma maneira ajudar a trazer para a consciência tantos emaranhamentos e assim ver pessoas, enfim, vislumbrando a possibilidade de soluções sistêmicas para suas vidas.

Gratidão imensa por tudo que a Vida traz até nós!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: wall.alphacoders.com

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.