Notícias

Avó dá caderno para netas e descobre que meninas são abusadas pelo pai

Avo da caderno para netas e descobre que meninas sao abusadas pelo pai

A avó das duas crianças estupradas pelo pai, no bairro Estância Velha, em Canoas, notou a diferença no comportamento das netas. Para entender, ela deu para elas, um caderno.

As meninas começaram a fazer desenhos de cunho sexual e isso chamou a atenção da avó e da mãe. Não satisfeita, conforme o delegado Pablo Queiroz Rocha, a mulher deu um celular para as netas. Quando foi mexer no aparelho, para saber o que elas andavam vendo, se assustou: as crianças estavam pesquisando conteúdos pornográficos.

Além dos desenhos e do conteúdo encontrado no celular, a mãe da criança, já tinha notado que as filhas estavam mais agressivas, irritadas e chorosas. Ela levou as duas para atendimento psicológico. Através dos desenhos, foi descoberto que ambas estavam sendo abusadas pelo pai, sendo agredidas e ameaçadas a não contar nada para ninguém.

Todos os fatos, de acordo com o delegado Pablo Queiroz Rocha, foram confirmados através dos depoimentos especiais.

35641896

Direitos autorais: Reprodução.

Conforme Rocha – titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), os desenhos ajudaram as vítimas a relatar coisas que, talvez verbalmente, elas não conseguiriam. “A criança, ao desenhar, se expressa de forma livre e sem receios, pois julga estar sozinha, desvigiada, em seu mundo lúdico, sem a pressão e o controle de adultos.

É o desenho, portanto, forma importante de manifestação do pensamento infantil, que deve obrigatoriamente ser objeto de grande atenção por parte dos pais, avôs e cuidadores. No caso, os desenhos foram cruciais para a descoberta dos abusos e estupros sofridos pelas duas irmãs”, afirma.

Agressões

Os policiais também descobriram com os depoimentos que em um dos estupros, o pai chegou a enforcar a filha mais nova para cometer o ato. Após o crime, ele disse que se quisesse, poderia matá-la.

whatsapp image 2022 02 23 at 10 58 18 20170892

Direitos autorais: Reprodução.

A criança de seis anos contou que, em um dos abusos, ouviu a irmã mais velha chorando e implorando para que o pai parasse com aquilo. Porém, mesmo com os pedidos, o homem seguiu com o estupro.

Porém, ela relatou ter percebido que o pai tinha muito nojo da urina. “Ela fazia xixi nas calças para evitar que ele chegasse perto”, conta o delegado.

O homem já foi encaminhado para o sistema prisional.

0 %