Notícias

Avó entra na justiça para mudar nome do neto registrado como “Lúcifer”, no interior do Ceará

capaavo entra na Justica para mudar nome do neto registrado como Lucifer no interior do Ceara

O nome inusitado da criança motivou a atitude da avó.

Escolher o nome de uma criança é uma missão que parece simples, mas que requer atenção e cuidado por parte dos pais.

Qualquer escolha minimamente descuidada pode desencadear uma vida inteira de piadas que nem sempre são bem absorvidas pelos pequenos, muitas vezes resultando em depressão ou outras questões de ordem emocional.

No entanto, nem sempre os pais levam muito a sério essa questão. Todos nós conhecemos pelo menos uma pessoa com nome diferente, seja porque é muito extenso, cheio de letras repetidas, ou porque fazem referência a alguma pessoa ou personagem da história.

Muitas vezes, essas pessoas aceitam e até fazem piadas com o próprio nome, outras vezes, podem mudá-lo assim que possível, porque sentem que isso interfere diretamente em sua vida pessoal e/ou profissional.

Quando os agraciados com os nomes não convencionais ainda são pequenos, seus responsáveis podem decidir se manterão ou não seus nomes.

Recentemente, uma avó do Ceará acionou a justiça para mudar o nome do neto, de apenas 11 meses. Conforme contado pelo G1, a criança, que vive na cidade de Nova Olinda, no interior do estado, recebeu dos pais o nome de “Lúcifer” e é o registro mais recente desse nome no país.

A Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) informa que, de 2016 a 2021, além desse bebê, apenas mais duas pessoas, ambas do Rio Grande Sul, receberam o nome “Lúcifer”.

O nome “Lúcifer” resulta da junção das palavras latinas lux (luz) e ferus (carregar), e significa “portador da luz”. No entanto, na crença cristã, seu significado não é nada positivo, pois é usado para se referir ao diabo, que inicialmente era um anjo, mas que cobiçava o lugar de Deus, por isso foi expulso do céu para o mais profundo abismo.

A avó conseguiu a guarda do menino porque o pai dele cometeu duplo homicídio — matou a mãe e o avô paterno do bebê com golpes de machado, em maio do ano passado. Dois meses depois do crime, o suspeito foi encontrado morto.

De acordo com o portal de notícias, o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) informou que a retificação do nome da criança foi ajuizada em junho de 2021, por meio da Promotoria de Justiça de Nova Olinda. O processo ainda está em andamento, em segredo de justiça, seguindo as determinações da Lei nº 8.069/1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Outro caso

Contamos anteriormente por aqui sobre uma mãe da Inglaterra que virou notícia na internet por registrar seu bebê com o nome “Lúcifer”. Josie King explicou ao Daily Mail que ela escolheu registrar o filho com o nome não como forma de homenagear o anjo decaído, mas simplesmente porque gosta do seu significado.

A mulher pontuou que viu num livro de nomes de bebês o significado de “Lúcifer” e acredita que tem tudo a ver com a história do filho, porque ele é uma criança milagrosa, já que antes dele ela já havia perdido dez bebês.

Feliz com sua escolha, Josie disse que intromissão das pessoas é o verdadeiro problema ao mencionar que muitos de seus amigos mudaram o nome dos próprios filhos por conta da pressão da sociedade.

A inglesa acrescentou que, se a criança fosse uma menina, ela lhe daria o nome de “Nárnia”, mesmo da franquia de livros e filmes de fantasia, e que também foi criticada por alguns familiares por conta disso.

0 %