Notícias

Bancos russos são excluídos do Swift, maior sistema bancário global

face Bancos russos sao excluidos do Swift maior sistema bancario global

Os Estados Unidos e a Comissão Europeia aplicam contra a Rússia a mais dura sanção econômica: o país liderado por Vladimir Putin foi excluído do principal sistema bancário global, conhecido pela sigla Swift. A punição foi anunciada por causa da invasão russa à Ucrânia.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou o banimento em transmissão ao vivo.

Sem essa tecnologia, os russos ficam impossibilitados de receber e enviar dinheiro para fora do país. Isso dificulta negociações internacionais, como de importação e exportação.

Além de instituições financeiras privadas, o Banco Central da Rússia ficou proibido de acessar suas reservas internacionais e de liquidar ativos, anunciou a Comissão Europeia.

“Todas essas medidas vão diminuir de forma significativa a possibilidade de Putin financiar sua guerra. Ele embarcou num caminho de destruir a Ucrânia, mas ele está destruindo também o futuro do seu país”, defendeu Ursula.

A Casa Branca, sede do governo norte-americano, divulgou comunicado defendendo a sanção. O bloco europeu negociou com os Estados Unidos a aplicação da medida.

Swift significa Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais. É um sistema criado em 1973 para permitir a troca de moedas entre países. O Swift reúne cerca de 11.000 instituições financeiras de mais de 200 países.

Guerra na Ucrânia

Além de alvos civis, como o centro de Kiev, o Exército russo avança também rumo a usinas nucleares da Ucrânia. O país vive o terceiro e mais crítico dia de combate desde o início dos ataques.

A Rússia e a Ucrânia vivem um embate por causa da possível adesão ucraniana à Otan, entidade militar liderada pelos Estados Unidos. Na prática, Moscou vê a possível entrada do vizinho na organização como uma ameaça à sua segurança. Os laços entre Rússia, Belarus e Ucrânia existem desde antes da criação da União Soviética (1922-1991).

Em três dias, ao menos 198 pessoas morreram nos confrontos, segundo o governo ucraniano. Outras 1.115 ficaram feridas. Russos sitiaram a a capital Kiev e tentam tomar o poder.

República Tcheca, Polônia, França, Estados Unidos, Holanda, Alemanha e Bélgica anunciaram o envio de ajuda estrutural de armas e dinheiro, apesar de não ordenarem apoio militar para os confrontos.

Antes o que ficava em discursos político-diplomáticos e bombardeios em campos de batalhas, passou a afetar hospitais, orfanatos, prédios residenciais, além de escolas e creches.

0 %