Notícias

Bolsonaro “faria um favor se fosse para casa porque ele está elegendo o Lula”, diz Moro

mORO

O ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos), pré-candidato à Presidência da República, afirmou na segunda-feira (14) que se as instituições do país tiverem autonomia “muita coisa vai aparecer”, se referindo a possíveis casos de corrupção no governo Bolsonaro.

A declaração foi dada no início da tarde desta segunda durante entrevista ao programa “Pânico”, da Jovem Pan.

“Agora, a gente tem um governo que trouxe do lado dele gente envolvida em escândalo de corrupção do passado. Políticos fisiológicos, o ‘Centrão’, tem até o presidente do partido onde vai concorrer o Bolsonaro, o Valdemar da Costa Neto, que estava do lado do Lula, condenado no ‘Mensalão’. Então assim, não tem esquema de corrupção? Quem está investigando? Quem está olhando isso, o PGR [Procurador Geral da República]? A Polícia Federal, alguém está vendo isso? Tenho certeza que se a gente retomar, dar autonomia para as instituições, como a gente pretende fazer, muita coisa vai aparecer”, afirmou Moro.

O ex-ministro falou também sobre a corrida eleitoral, e disse que “a única razão” de o ex-presidente Lula (PT) estar à frente nas pesquisas é porque as pessoas “querem se livrar do Bolsonaro”.

“O Bolsonaro faria um favor para o país se pegasse o boné e fosse para casa, porque ele está elegendo o Lula”, disse Moro.

“Destruição” da Lava Jato

Questionado porque mudou de ideia em relação a ser candidato a presidente – o que chegou a negar quando era ministro de Bolsonaro – Moro disse que achava que conseguiria “mudar o rumo do Brasil, em relação a ter um governo honesto, a ter pessoas mais íntegras, a ter um combate à corrupção”.

“A gente imaginava que a gente teria iniciado um período diferente, mas acho que todo mundo se decepcionou muito com a realidade atual e assim, vamos ser bastante francos, o governo atual, juntamente com parte do Congresso e com parte do Supremo Tribunal Federal, eles destruíram a Lava Jato”.

O ex-ministro também afirmou que se o presidente Bolsonaro quisesse combater a corrupção, ele não teria interferido na PF, teria nomeado um PGR a favor da Lava Jato, teria se posicionado a favor da prisão em 2ª instância e não teria vetado trechos do projeto anticrime.

“Eu fui sabotado pelo presidente da república Jair Bolsonaro e também, não foi só ele, mas ele contribuiu pra esse ambiente de reação contra o combate à corrupção”, afirmou Moro.

Lula e Bolsonaro

Sobre a disputa entre Lula e Bolsonaro, Moro disse que “não tem como comparar quem é pior”. Ele não acredita em segundo turno entre os dois. “Não vamos correr esse risco de segundo turno com Lula e Bolsonaro, o brasileiro não tem vocação para o suicídio”.

Regulação da mídia

Moro falou também que Lula e Bolsonaro “não são exatamente amantes da liberdade de imprensa”, e citou a proposta de Lula de regulação da mídia.

“Eu sou totalmente contra censura, controle, xingar jornalistas, xingar mulheres jornalistas que é a predileção infelizmente do Bolsonaro. Se o Lula ganhar vocês vão ganhar novos companheiros aqui escolhidos pelo estado”.

0 %