Animais

Bombeiros se despedem de fiel cão que trabalhou por 14 anos no quartel: “Era um de nós!”

O cãozinho era considerado mais que um amigo, um membro da equipe, alguém que passou a fazer muita falta assim que se foi.



Sempre sentimos que nossos animais de estimação são parte da família, como se fossem membros, irmãos, primos, tios, alguma coisa que retrate aquela proximidade.

Em alguns casos, nem temos tanta proximidade assim com nossos familiares, mas temos com nossos pets, talvez por eles serem dóceis, incrivelmente compreensivos ou porque passamos bastante tempo com eles.

De qualquer forma, muitos dos nossos animais acabam indo embora antes de nós, principalmente por sua vida ser mais curta, o que impacta diretamente nossas relações. Não queremos perder um ente querido, muito menos aquele que tanto amamos. Mas eles acabam nos deixando, e a única coisa que sobra é a saudade junto com aquela intensa vontade de honrar a alma de quem tanto se doou ao longo da vida.


Em Iquique, no Chile, um caso triste e impactante aconteceu. Os oficiais do quartel do Corpo de Bombeiros de Playa El Aguila compartilharam no perfil do Twitter a despedida daquele que trabalhou por 14 anos com eles, o cãozinho Negro.

Eles tinham uma ótima relação com ele, que chegou a morar no quartel antigo dos bombeiros. Segundo reportagem do jornal Futuro, assim que se mudaram, Negro simplesmente entrou no carro com eles e foi junto para o quartel novo.

Estava sempre por perto, mostrando que era um membro da equipe e muito amado por todos. Por isso, mesmo que eles soubessem que o amigo estava ficando velho, ninguém quis acreditar quando ele morreu.

Direitos autorais: reprodução Twitter/@ci_iqq.


A mais apropriada saída foi fazer uma bela despedida no local, com tudo a que ele tinha direito. Os oficiais prestaram homenagens, velório e até enterro, tudo como se ele fosse um recruta da equipe, com toda a pompa que merecia.

O capitão Jorge Tapia explica que Negro era um deles, fazia parte da família e era um membro importante da companhia. A despedida foi emocionante, e não houve um só membro que não chorou naquele momento.

Todos são unânimes em afirmar que Negro tinha o maravilhoso hábito de alegrar todos os bombeiros que ali serviam. Além de tanto afeto e formalidade, o cãozinho foi nomeado “Bombeiro Honorário”, que é a maior distinção que os oficiais recebem quando completam 14 anos de companhia.

Direitos autorais: reprodução Twitter/@ci_iqq.


Depois do velório, o caixão de Negro foi carregado pelos bombeiros até o lugar onde escolheram para enterrá-lo, nos arredores do quartel. Para que todos pudessem acompanhar aquele emocionante momento, muitos carregaram tochas no evento, iluminando aquela longa e triste caminhada.

Ele recebeu não apenas o amor de todos aqueles amigos, mas também o respeito, principalmente quando decidiram enterrá-lo ao lado do lugar onde sempre morou e trabalhou. Os oficiais ainda fizeram questão de plantar uma árvore no local onde Negro foi enterrado, honrando ainda mais aquele maravilhoso companheiro de trabalho e de vida.

Desempregado, pai leva filho para vender churros na rua: “Quero ensinar o valor do trabalho”

Artigo Anterior

“Me ridicularizavam por limpar o chão”: ex-faxineira venceu preconceitos e se tornou juíza em Goiás!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.