ColunistasReflexão

Buscando sempre a melhor forma de viver…

BUSCANDO SEMPRE A MELHOR FORMA capa e dentro

Nascemos com quase nada, além de poucos reflexos e uma única ferramenta de mediação ao vasto mundo, a capacidade reguladora de se adaptar, atualizar e (sobre)viver.



Até a morte, é uma constante de assimilação, acomodação, adaptação e satisfação das necessidades, nessas configurações, ou formas, do dia-a-dia, esse ciclo se repete e repete, tornando-o complexo e de inúmeras necessidades para ser resolvidas.

Na vida adulta, muitas vezes, a percepção é de muitos problemas e necessidades, e poucas delas resolvidas, embora essa experiência seja verdadeira, acaba-se por esquecer do que ja foi um dia.

Ao nascer, nada é além de um pedaço de carne com alguns reflexos, quantos problemas… quantas necessidades. o difícil ato da coordenação motora, cada passo move um grupo de músculos que até então não havia necessidade para isso, o ato de aprender, aprender a sinalizar que está com fome, que está doente, aprender a andar corretamente, aprender a se comunicar usando a linguagem,imitar, simbolizar, (inter)relacionar… tantas necessidades, tantas necessidades, tanto desequilíbrio, e continua sempre procurando a melhor forma de viver, a que se ajusta melhor com o que ta acontecendo no momento da sua existência… novamente, um desequilíbrio, novas necessidades… ajustar as relações familiares, as representações e relação de poder, falar com estranhos, ir a escola, aprender a socializar, distante do “conforto” da família e do lar.


A vida nada mais é do que um papel ativo e ininterrupto deste ciclo regulador, atualizador de adaptação, é um cilo de desequilíbrio, equilíbrio.

Hoje, na vida adulta, o que foi passado durante o desenvolvimento infantil, há uma sensação de natural, que foi fácil, até tranquilo.

A única forma natural é a própria capacidade de buscar a melhor forma de viver, cada ciclo completado, é um novo ciclo começando, novas necessidades e uma sensação de que o novo, é sempre mais difícil do que ja se passou.


Acaso ou destino?

Artigo Anterior

Certas palavras machucam mais do que um tapa na cara!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.