publicidade

Cada experiência é valiosa!

Tudo o que vivi anteriormente trouxe-me até aqui. Tudo o que sou, vivo, acredito e aplico é fruto das experiências que tive no passado, boas e más.



Em vez de vermos os problemas como sinais de fracasso, deveríamos honrá-los como oportunidades para crescer, como sinais que o Universo nos deu de que há algo que precisamos de mudar em nós para continuar a melhorar a nossa vida, de dentro para fora.

Até traumas e circunstâncias mais graves que nos marcam até hoje, devem ser valorizadas como ferramentas que nos tornaram mais fortes, resilientes e com uma capacidade maior para transcender, para crescer espiritualmente.

Há pessoas que sofreram tanto, que o passado deixou uma cicatriz que parece nunca mais sarar. Há que relembrar que a causa do sofrimento não foi o que aconteceu, mas aquilo que sentimos em relação a isso.


Circunstâncias não importam, apenas o nosso sentimento em relação a elas.” – Bashar

O sentimento marca o tom do momento presente. Podemos estar a viver uma experiência e a pensar noutra, e o sentimento que a lembrança nos traz é o que estamos a viver agora. Ou seja, relembrar um acontecimento negativo do passado é o mesmo que estar a vivê-lo no presente.

As emoções são indicadores do que estamos a atrair para a nossa vida – tristeza gera tristeza. No entanto, momentos de tristeza são benéficos, porque mostram o poder que temos de gerar acontecimentos através da nossa mente.


Uma pessoa que viveu um período de grande insegurança continuou a atrair mais circunstâncias que alimentam esse sentimento, até ao momento em que “acorda” e percebe que não precisa de se sentir assim.

Então, independentemente das circunstâncias que lhe fazem sentir insegura, decide começar a ver os aspetos positivos em si mesma, porque lhe faz sentir melhor.

E a partir daí tudo muda. As razões para ser insegura cessam, pessoas que lhe criticavam “misteriosamente” desaparecem, enfim, tudo se move de uma forma quase mágica.

Tudo porque a pessoa insegura decidiu parar de se reprimir, de achar que tudo era culpa dela.

O que parecem ser fracassos, obstáculos na nossa vida, que podem manifestar-se de variadas maneiras – problemas familiares, incapacidade de integração na sociedade, vícios, falta de possibilidades financeiras, etc. – são simplesmente indicadores de como ia o nosso mundo interno.

O tom da nossa vida física advém do tom das nossas emoções e pensamentos, que treinamos durante um longo tempo (provavelmente a nossa vida toda) e que gerou todo o tipo de acontecimentos.

O ponto de ebulição – o estado a que as coisas chegam que nos fazem dizer “chega!” – é quando os problemas parecem tão incontroláveis, que largamos tudo, incluindo as nossas crenças limitantes, que foram a causa de todos os problemas em primeiro lugar.

E é essa rendição, esse desistir de nos culparmos e vitimizarmos, que nos liberta, e abre espaço para coisas maravilhosas que nem conseguíamos imaginar. Coisas como uma nova perspectiva de vida, inspiração para tomar uma decisão que muda tudo para melhor, pessoas que nos amam, e mais amor próprio.

Sem todos os problemas que tivemos, não conseguíamos ter essa clareza. Por isso, honremos as fases de escuridão, que nos mostraram onde é a luz.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.