CAFÉ, AMOR E OUTRAS DROGAS…



Dizem que tudo que é bom vicia. E que na maioria das vezes nós temos a plena consciência disto.

Chocolate engorda mas a gente come; Cafeína demais prejudica e a gente consome; Você me faz mal mas eu bem que queria.

Eu queria uma overdose de você. Aqui, agora, te tomaria até o fim. Sugaria os teus beijos, o teu pescoço, os teus sonhos, até te ter em mim. Saciaria teus desejos, tuas fantasias, até me intoxicaria…de você. Queria te ter aqui no meu sofá, para um filme, um vinho, Vinícius ou Jobim, te deixaria escolher.

Ao invés disso, sofro de uma terrível crise de abstinência, está me dando até demência…não paro de bater as pernas e roer as unhas, bater o lápis na mesa o mais rápido que posso. Só de pensar em você, meu coração tem um troço. Ouço mas não escuto o que as pessoas vem me dizer, rodo no supermercado por horas e horas, a cabeça distraída fora do lugar, tentando me convencer que é necessário comer, rir e viver, mas na verdade eu nem sei o que vim comprar, acho que no fundo é você que eu quero encontrar mas você não está em nenhuma prateleira, nem entre as garrafas, nem nas gôndolas ou nas geladeiras; Eu não consigo me acostumar.

Chega, eu vou apelar! Vou partir pra cocaína, vou tentar a morfina, qualquer coisa pra me aliviar, pra esquecer que eu fui tua mulher, vou me envenenar com café…café, amor e outras drogas.

Se comida congelada e suco de caixinha não resolveu, então outra vez lá vou eu para o primeiro bar. Não vou me entregar às bebidas mas hoje, amigas, quero o mais forte que tiver.



Acendo um cigarro jurando ser um só e tomo mais uma e se mesmo assim você não vier…lá se foi todo o maço, já mal consigo dar um passo, mas eu prefiro continuar na rua. Pra não lembrar que a minha cama já ditou o compasso, de dois corpos apaixonados, e que mesmo sem te ter eu continuo sendo sua. Todo mundo me diz pra ter fé, mas a essa altura eu só quero um café…café, amor e outras drogas.

Me sufoco então com as palavras que não te disse. Minha boca fica seca, um suor excessivo e minhas pupilas tristes.

Acho até que dá um livro.

Não de contos eróticos ou um lindo romance, daria um livro da minha incansável batalha entre mim e eu mesma, uma querendo te amar e a outra querendo que eu esqueça, já se tornou constante.

Enquanto à um consenso não chegamos, continuo querendo que você apareça. Na minha casa de surpresa, na madrugada chuvosa dentro da minha cabeça ou em uma esquina qualquer, só pra um café…café, amor e outras drogas….






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.