Comportamento

Camas “antisexo” da Olimpíada permitem sexo a dois, o problema é mais gente

camas de olimpiada
Comente!

As camas, que foram desenvolvidas para tentar conter as relações íntimas dos atletas durante a competição, parecem comportar duas pessoas tranquilamente.

Quando pensamos nas Olimpíadas, a primeira coisa que vem em nossas mentes é um verdadeiro espetáculo do esporte mundial, reunindo diversas equipes dos mais variados esportes, de países de todo o mundo, para uma disputa justa e respeitosa que premiará os melhores atletas em cada categoria, certo? Bem, não necessariamente para todos nós.

Embora as competições esportivas sejam sim o foco principal dessa competição, que acontece desde a antiguidade, na edição deste ano dos jogos, realizados em Tóquio, no Japão, têm chamado a atenção do público por conta de um detalhe especial.

A organização do evento informou que as camas da Vila Olímpica de Tóquio foram feitas de papelão, e isso fez com que as pessoas automaticamente pensassem que a escolha tinha como objetivo principal evitar com que os atletas mantivessem relações sexuais entre si durante os mais de 17 dias de evento.

Vários memes sobre o tema foram compartilhados nas redes sociais, e fizeram com que as pessoas realmente debatessem esse tema. Segundo muitos, o papelão evitaria o excesso de peso na cama, impedindo assim a prática da atividade sexual.

No entanto, o motivo pelo qual essas camas foram escolhidas parece estar bem distante da suspeita do público. De acordo com o portal EXTRA, as Olimpíadas de Tóquio têm o objetivo de ser a mais ecológica da história, por isso a escolha.

Além disso, as medalhas que serão entregues aos atletas foram feitas de celulares reciclados e terão molduras também de papelão.

Um artigo do UOL citou que, em janeiro de 2020, durante a apresentação da cama pela empresa Airweave, um porta-voz da empresa revelou que as atividades sexuais não comprometem a estrutura, que foi feita para suportar 200 quilos.

“Fizemos várias experiências, jogando peso sobre elas. Se essa orientação das duas pessoas for respeitada, (as camas) podem suportar a carga”, afirmou.

O tema “sexo na Vila Olímpica” não é nenhuma novidade. Na Olimpíada de Inverno de Pyeongchang, na Coreia do Sul, em 2018, o aplicativo de encontros Tinder teve um aumento de 350% nos acessos. Na edição dos jogos de 2016, no Rio de Janeiro, em 2016, 450 mil preservativos foram distribuídos, o equivalente a 42 por atleta.

Já em Tóquio, a organização distribuirá 150 mil camisinhas, No entanto, a intenção dos organizadores é que elas não sejam usadas pelos atletas, especialmente porque estamos vivendo uma pandemia, e a orientação e regra número 1 do evento seja o distanciamento social.

Comente!

Luana Piovani se revolta e desabafa sobre ida dos filhos ao Brasil com Pedro Scooby: “Não sou a favor”

Artigo Anterior

“Me senti excluído”: menino cadeirante é expulso de parque por conta da sua deficiência

Próximo artigo