Animais

Cão policial de Pernambuco morre e PM presta homenagem: “Era cativante e companheiro”

Direitos autorais: reprodução/ASCOM PMPE.
capacao policial de Pernambuco morre e PM presta homenagem era cativante e companheiro

Os policiais encontraram uma maneira especial de se despedir do companheiro de trabalho.

Os cães sempre marcam nossa vida, independentemente do contexto em que chegam. Criamos uma relação de amor e confiança com eles, por isso sua perda nos machuca bastante e nos motiva a encontrar maneiras especiais de honrar sua amizade.

Recentemente, a Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) fez homenagem especial a um dos cães do Batalhão de Policiamento com Cães (CIPCães), que faleceu.

Segundo informações do site da PMPE, o cão policial “Parada”, um belga malinois, faleceu no último dia 11 de maio, aos 10 anos, por insuficiência respiratória. “Parada” trabalhava no combate ao tráfico de drogas e se tornou um dos melhores cães operacionais da unidade.

Ele chegou à unidade em 2014, para trabalhar na Copa do Mundo de Futebol, em Pernambuco, e foi ganhando espaço, destacando-se por seu faro muito aguçado. O comandante da CIPCães afirmou que “Parada” era muito produtivo e se destacava entre todos os seus companheiros de equipe.

2cao policial de Pernambuco morre e PM presta homenagem era cativante e companheiro

Direitos autorais: reprodução/ASCOM PMPE.

A perda do animal foi uma grande baixa para a unidade, por isso os policiais realizaram uma homenagem póstuma ao cão no Cemitério Morada da Paz, onde ele foi cremado. Estiveram presentes na homenagem os cães que trabalhavam com “Parada”, o comandante da unidade, major Pantaleão, o efetivo da CIPCães e o comandante-geral da PMPE, coronel Cláudio Lopes.

Quando o cão chegou ao local, foram prestadas continências a ele, e a bandeira da unidade estendida em seu caixão, para agradecer-lhe e honrá-lo por seu trabalho. Ainda foi realizado um pronunciamento do comandante da CIPCães, que antecedeu a cremação do animal.

O sargento Eric Soares, adestrador de “Parada”, contou que ele era um animal dócil, companheiro, alegre e cativante. Ainda destacou que o cão marcou presença em ações em prol da formação de crianças e adolescentes.

Soares acrescentou que o companheiro canino “produzia empatia por onde passava”, e ganhava a atenção e o carinho tanto de crianças quanto de adultos, que sempre o estavam abraçando e acariciando. O militar finalizou dizendo que o animal deixará saudades.

Infelizmente, o tempo de vida dos cães não é o mesmo que o nosso, e muitas vezes eles partem primeiro, deixando-nos com a saudade e as boas lembranças do que vivemos ao seu lado. Deixamos por aqui a nossa admiração pelo dedicado animal.

0 %