Animais

Cão se muda para lar de idosos para não ficar separado de sua tutora. Não aguentou a saudade!

Foto: Reprodução
capa site Cao se muda para lar de idosos para nao ficar separado de sua tutora Nao aguentou a saudade

Separados, o cachorro chamado Bob passou a ter um comportamento inadequado e bem agressivo, algo que nunca tinha acontecido.

O afeto dos cães por seus tutores (e vice-versa) é quase inexplicável, mostrando que o amor ultrapassa qualquer barreira imaginada. Os vínculos e até mesmo a forma como se comportam nos mostram diariamente que basta um bom tratamento para que se sintam potencialmente queridos.

Essa sensação de bem-estar emocional e físico é alimentada na rotina e na certeza de que seus tutores estarão ali para o que der e vier, como se fossem verdadeiras barreiras protetoras. Muitas pessoas até mesmo assemelham essa relação ao afeto dos pais pelos filhos — ainda que de maneira distante — justamente por conta da ligação que constroem.

É claro que a relação entre humanos é completamente diferente da que estabelecemos com os animais, mas o tamanho do amor e da vontade de cuidar e querer bem se assemelha — e muito —, o que torna vários comportamentos inexplicáveis. São muitas as histórias de bichinhos que se perdem e reencontram seus donos depois de anos ou que salvam os tutores de alguma fatalidade, ainda que não soubessem o que estava acontecendo.

As inúmeras narrativas mostram que as relações podem ser intensas, verdadeiras e para a vida toda, ainda que muitas vezes eles partam antes de seus tutores. Em Itajaí (Santa Catarina), um caso desses que nos deixam boquiabertos aconteceu. Mara Gonçalves Ern, de 74 anos, separou-se de seu fiel amigo Bob quando foi morar em um lar para idosos.

2 Cao se muda para lar de idosos para nao ficar separado de sua tutora Nao aguentou a saudade

Direitos autorais: Reprodução/ NSC TV

Segundo reportagem do G1, Mara deixou o companheiro de quatro patas na casa de uma vizinha, até que seu primo pudesse buscá-lo. Ele tinha ficado responsável pelos cuidados de Bob depois que a senhora mudou de casa, mas se surpreendeu quando nem sequer conseguiu encostar no cãozinho.

De acordo com Mara, ele passou 17 longos dias parado do lado de fora da antiga casa, aguardando-a voltar. Esperando e em agonia, ele chorava embaixo da janela da tutora, mostrando total insatisfação e tristeza de ter sido separado daquela que tanto amava. A relação dos dois é tão forte, que ele não aceitava que nenhuma pessoa o tocasse, e assim que o primo da senhora apareceu para levá-lo, Bob não pensou duas vezes e avançou no homem.

Assim que amigos e familiares contaram o que estava acontecendo com o animal, Mara explica que ficou abalada, sem conseguir pensar em outra coisa, até que pudesse resolver esse impasse definitivamente. A solução que encontrou foi falar com a administração do asilo, pedindo que seu companheiro morasse junto com ela, e foi a melhor coisa que poderia ter feito.

3 Cao se muda para lar de idosos para nao ficar separado de sua tutora Nao aguentou a saudade

Direitos autorais: Reprodução/ NSC TV

A administração concordou prontamente, e em pouco tempo Bob foi levado para morar no canil do lar de idosos, podendo ficar com Mara todos os dias. Ela revela que não existe dinheiro no mundo capaz de afastá-los e que jamais deixará que o cão fique com outras pessoas novamente, muito menos sozinho.

A relação entre Mara e Bob é vista como amplamente benéfica do ponto de vista dos especialistas do local, principalmente porque impactam de maneira positiva a saúde e o bem-estar da senhora, passando uma sensação de segurança e de proximidade com a antiga vida.

Os cães e demais animais de estimação são amplamente usados como fonte de carinho e  calma para pacientes de diferentes doenças, como autismo. Capazes de fortalecer laços, de passar confiança, controle e sensação de proteção, muitos profissionais da área da saúde indicam que os bichos sejam inseridos no convívio de pessoas que precisem de apoio e companhia, como no caso de Mara.

0 %