Animais

Cãozinho andava mais de 3km todos os dias para visitar túmulo do dono: “Guiado pelo seu amor”

2 capa Caozinho andava mais de 3km todos os dias para visitar tumulo do dono Guiado pelo seu amor

Depois que seu dono morreu, Fulmine passou a ir todos os dias visitar seu túmulo, a saudade o levou até lá.



Sabemos que o amor dos cachorros é algo inexplicável, tão sublime e verdadeiro que chega a romper as barreiras da lógica. Quantas vezes não ouvimos casos de animais que peregrinaram meses até encontrar sua família, aqueles que depois de anos voltam para casa, os que protegem o lar, os que avisam se algo ruim vai acontecer.

Ninguém sabe ao certo em que momento essa conexão se estabelece, mas ela existe! Realmente, existem muitas provas de que o cachorro seja mesmo o melhor amigo do ser humano e, talvez, não só eles, como os gatos e outras espécies. A história de hoje envolve justamente esse tipo de ligação, transcende a fronteira do real e se torna algo extraordinariamente espiritual.

O cãozinho Fulmine e seu dono Leonardo Sechi, viveram longos e amáveis sete anos. Compartilharam diversos momentos vivendo no interior da Itália, desfrutando da simplicidade da vida e da companhia um do outro. Sara Sechi, filha de Leonardo, explicou que eles eram muito afetuosos, sempre se abraçando e demonstrando um amor muito forte.


2 2 Caozinho andava mais de 3km todos os dias para visitar tumulo do dono Guiado pelo seu amor

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Infelizmente, em fevereiro de 2021 se encerrou a história da dupla Leonardo e Fulmine, porque o homem estava lutando contra uma grave doença há muitos anos e não resistiu. Mas o amor continuou vivo, sem se apagar.

Enquanto estava no hospital, a família Sechi tomou conta de Fulmine, dando-lhe tudo o que precisava, mas, mesmo assim, ele sentia profundas saudades de seu companheiro de vida. Sara conta que toda vez que um carro passava na frente da casa, o pequeno cãozinho corria para ver se era seu amado dono finalmente retornando, era uma agonia sem fim presenciar aquilo.

Mesmo depois que Leonardo faleceu, o amigo peludo continuava a correr ao portão todas as vezes que escutava um barulho de carro, sempre em vão. No dia seguinte ao funeral de Sechi, Sara e seu filho foram ao cemitério levar mais flores para colocar em cima do túmulo de seu pai. Quando chegaram ao local, tiveram uma grande surpresa: Fulmine estava lá, visitando seu dono!


2 3 Caozinho andava mais de 3km todos os dias para visitar tumulo do dono Guiado pelo seu amor

Direitos autorais: reprodução Facebook/Sara Sechi.

Era incrível, o cãozinho tinha caminhado mais de 3 quilômetros sozinho, chegando, finalmente, ao local onde seu melhor amigo havia sido sepultado. Ele sabia que Leonardo estava ali, ele sentia aquilo e todos que presenciaram esse momento, também sabiam disso.

Sara conta que jamais imaginava encontrá-lo ali, ninguém havia o levado até o funeral, ele nunca tinha ido até aquele local, ele sequer conhecia aquela região. Ela revela que não tem ideia de como Fulmine chegou até ali.

2 4 Caozinho andava mais de 3km todos os dias para visitar tumulo do dono Guiado pelo seu amor

Direitos autorais: reprodução Facebook/Sara Sechi.


Mas aquela não era a única vez que o cãozinho visitaria seu amado amigo, nas semanas que se seguiram, Sara descobriu por vizinhos que ele ia e voltava todos os dias do cemitério, sozinho. Ele se reunia com seu dono, mesmo que em espírito, todos os dias, sem ninguém tê-lo ensinado a fazer isso.

Ainda é um mistério para todos saber como Fulmine chegou até aquele túmulo, mas Sara disse que gosta de pensar que ele é guiado pelo amor que sente por seu pai, ou que seu pai o levou até lá. Ela ainda explica que essa é uma daquelas coisas estranhas que jamais vamos conseguir explicar.

Desde então, Sara levou Fulmine para morar com ela, não podia deixá-lo sozinho, à própria sorte. Ela espera que ambos possam passar pelo luto juntos, mas que, no futuro, consigam seguir em frente, e que o peludo crie novas memórias felizes com uma nova família que também o ama.

2 5 Caozinho andava mais de 3km todos os dias para visitar tumulo do dono Guiado pelo seu amor

Direitos autorais: reprodução Facebook/Sara Sechi.


O amor de Fulmine é algo inexplicável!

Comente abaixo e compartilhe nas suas redes sociais!

Aos 55 anos, ela se tornou a primeira mulher oficial-general da Força Aérea Brasileira!

Artigo Anterior

Para ensinar filha de 7 anos o valor do dinheiro, mãe faz filha pagar contas em casa e divide opiniões

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.