Animais

Cãozinho idoso, cego e sem uma pata consegue ser adotado após 10 anos em abrigo

Ele ficou uma década em um abrigo de Araraquara. Considerado idoso, a maioria acreditava que Tofu jamais conseguiria uma família, principalmente porque já não tinha mais saúde.



A adoção de animais já é um processo complexo, porque nem todas as pessoas estão dispostas a levar para o seio familiar seres vivos que foram abandonados, que precisam de ajuda, apoio e companhia. Os mais idosos, os deficientes, os doentes ou apenas os considerados “feios” costumam passar a vida toda em abrigos, sem saber verdadeiramente o que é ter uma família.

Em Araraquara, no interior de São Paulo, o cachorrinho Estabanado teve uma vida bem difícil, sem conhecer o amor de perto. Ele foi resgatado de maus-tratos já adulto, mas passou 10 anos no abrigo municipal esperando que algum humano carinhoso aparecesse.

A velhice foi tomando conta do seu corpo, ele perdeu a visão e precisou amputar uma pata por conta de um tumor. Parecia que suas chances de ganhar uma família agora estavam menores ainda.


Como era adulto e macho de grande porte, nunca apareceu alguém no abrigo disposto a levá-lo para casa, já que a maioria das pessoas prefere filhotes e fêmeas de pequeno porte. Os veterinários estimam que Estabanado (que agora se chama Tofu) tenha cerca de 14 anos, por isso todos achavam que ele passaria o fim da vida ali mesmo.

Mas Carolina Mattos Galvão, coordenadora do Bem-Estar Animal no abrigo de Araraquara, recebeu mensagem de uma mulher perguntando qual o animal mais idoso que tinha para ser adotado. Danila Molinari, de 39 anos, que trabalha como adestradora de cães, foi quem enviou aquela mensagem de esperança.

Segundo reportagem do jornal A Cidade ON, ela tinha o sonho de adotar um animal deficiente, um idoso e um surdo, mas não imaginava que Tofu seria tudo isso junto. Ele viu a foto e foi ao local para conhecer o animal; cinco minutos foram suficientes para levar a adoção adiante.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.


Tofu ainda estava se recuperando da amputação na patinha, então a família precisou esperar um mês até que pudesse levar o animal para o seu novo lar. Danila conta que conseguiu se preparar, e comprou tudo o que o novo membro da família precisaria: roupas, coleira, placa de identificação, cama, comedouro, guia.

Enquanto isso, a ansiedade ia consumindo a adestradora. Ela possui outros animais em casa, por isso também precisou arrumar um espaço só para ele na fase de adaptação. Danila não consegue se conformar com a injustiça de os animais idosos e deficientes não conseguirem ser adotados, o que também a motivou a concretizar o processo com Tofu.

A mulher revela que, assim que ele chegou em casa, a sensação que teve foi mágica e indescritível. Além de ser muito bonzinho, o animal se adaptou rapidamente à casa pois, mesmo sendo cego e sem uma pata, ele não esbarra mais nos objetos, móveis e paredes.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.


A adoção de animais adultos, infelizmente, ainda é muito difícil de acontecer no Brasil, por isso a maioria deles passa a vida inteira em abrigos, até morrer, sozinhos. Danila agradece a todos que cuidaram de Tofu até agora e explica que hoje ele tem uma família de verdade, o que deixa todos extremamente emocionados!

Ex-morador de rua transforma casa de festas em albergue para acolher população sem teto

Artigo Anterior

‘Não tem como continuar com ele na nossa empresa’

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.