Comportamento

Carroceiro de 75 anos, que passava dificuldades, emociona vizinhos e ganha mais de R$ 30 mil em doações!

Os materiais que Luiz pegava para vender em sua carroça ficaram escassos por conta da pandemia, o que prejudicou a renda do idoso, fazendo com que ele passasse necessidades.



A pandemia do novo coronavírus acentuou a crise econômica e a vulnerabilidade social de milhões de brasileiros, ressaltando a insegurança alimentar, a fome, a pobreza e a ausência de direitos básicos.

Nessa equação, as pessoas acabam desamparadas tanto pelo aparato do estado quanto pelos órgãos privados, que deixam de oferecer empregos ou auxílios financeiros.

Chamado de Luiz Carroceiro, o senhor de 75 anos, que trabalha coletando e vendendo materiais recicláveis, viu a pandemia reduzir drasticamente seu ganha-pão. Mesmo com a saúde muito debilitada, por conta da idade avançada e dos anos em que trabalhou nas ruas, ele seguiu trabalhando diariamente, em busca de dinheiro para arcar com suas despesas mais básicas.


Luiz já sofreu sete acidentes vasculares cerebrais (AVCs), mas não pôde deixar de trabalhar em nenhum momento, precisando apenas se recuperar fisicamente e seguir pelas ruas.

O acidente vascular cerebral (AVC), também chamado de derrame, é a interrupção do fornecimento de sangue para o cérebro, emergência médica que requer tratamento adequado e imediato para minimizar os danos ao cérebro.

Segundo o Hospital Israelita Albert Einstein, o problema é comum no Brasil, atingindo 150 mil pessoas por ano. Mesmo tendo passado por essas questões de saúde, Luiz nunca conseguiu se aposentar, já que não tem carteira assinada, o que o obriga a coletar material reciclável no centro da Grande São Paulo.

O dinheiro é pouco e mal dá para honrar as despesas mais elementares, por isso, a casa onde ele morava era extremamente simples e ainda requeria uma taxa de aluguel. A pandemia ainda fez com que seus fornecedores de materiais recicláveis fechassem as portas, temporariamente ou não, o que prejudicou ainda mais o ganho mensal do senhor Luiz.


Direitos autorais: reprodução YouTube/Fabio Brazza.

A pandemia ainda fez com que seus fornecedores de materiais recicláveis fechassem as portas, temporariamente ou não, o que prejudicou ainda mais o ganho mensal do senhor Luiz.

Como trabalha por conta própria, ele não possui nenhum tipo de garantia, precisando coletar material todos os dias para garantir a alimentação do dia seguinte, mas a escassez do mercado acabou fazendo com que ele deixasse de pagar as contas de água e luz para conseguir comer.

O cantor e rapper Fábio Brazza contou um pouco da história do senhor Luiz no fim do ano passado, já que o conhece há mais de 10 anos. Para ajudar o carroceiro a sobreviver na pandemia, ele e os amigos tiveram a ideia de fazer uma vaquinha on-line, para que o dinheiro pudesse tirá-lo das ruas durante alguns meses.


Direitos autorais: reprodução YouTube/Fabio Brazza.

A ideia deu certo, eles conseguiram arrecadar R$ 31 mil, superando em mil reais a meta estipulada pelos organizadores. O valor arrecadado serviu para pagar contas em atraso e mantê-lo bem na pandemia, sem que precise sair de casa, correndo risco de se contaminar com o vírus ou tendo algum problema de saúde, considerando sua idade.

Fábio fez questão de contar a notícia para o senhor Luiz e ainda compôs um samba sobre a sua história, uma forma que encontrou de prestar homenagem ao homem que ele conhece há tanto tempo. A felicidade e incredulidade do carroceiro mostram que ele jamais esperava que algo tão bom lhe acontecesse, mas graças ao engajamento das pessoas nas redes sociais, ele pode descansar sem precisar se preocupar com o amanhã.


Mãe que ofereceu faxina por R$ 20 para alimentar os filhos ganhou R$ 53 mil e abriu loja!

Artigo Anterior

Nordestina de 12 anos supera mais de 14 mil alunos e vence concurso de ciências da Nasa!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.