ColunistasCrônicas

Carta lida aos 80 anos…

… Não se trata da certeza ou verdade absoluta, falar de sonhos, paixão, amor é reticências, é liberdade é perceber que em todas as linhas escritas sempre houve um porém, um motivo de ser e acontecer.



Amor é para sempre, o sempre que o tempo determina, eu acredito na eternidade dos momentos e até das palavras, acredito mais ainda que estes amadurecem durante tal eternidade.

O que faz sentido hoje amanhã talvez não mais faça ou quem sabe faça mais sentido ainda.

Quem saberá?


Então em que ter certeza? Em que ou em quem de fato devo depositar o meu coração?

Naquilo que tem um significado, isso é eterno!

Escrevo hoje a minha história, a sua história, a história daquele que tem a plena convicção que daqui a alguns anos, irá olhar para trás e ter orgulho de cada linha escrita, porque de alguma forma tocou o meu coração e o seu, fez sentido e se fez sentir.

O sentido de tudo é tocar a alma, é sentir vida exalando pelos poros, é identificar a cor do sorriso e se inundar de coisas boas ao lembrar daquilo que será eterno dentro da sua memória!


Eu vivi e tenho orgulho de cada sensação e dos momentos que dediquei para escrever esta história que agora é de todos nós.

Lua, lua… Eu sou mesmo uma mulher lunar…

Artigo Anterior

Das coisas que não dizemos e nunca mais diremos…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.