5min. de leitura

Carta a um coração maltratado…

Algumas vezes precisamos de algo ou alguém que abra nossos olhos e nos faça perceber o que nosso coração está sentindo e sofrendo e nem sempre a realidade é a que desejamos.

Muitas vezes, ela é cruel e difícil de aceitar. Vivemos em negação ou dúvida até que, ao chegarmos no limite das nossas forças, algo ilumina o caminho e mostra o que precisamos saber.


Por isso estou aqui pra ajudar e mostrar tudo aquilo que seus olhos, cegos pelo sentimento ou medo da verdade, não querem ou não conseguem ver. Estou aqui com a autoridade de quem já esteve aí, sofrendo, vendo mas não querendo acreditar, vendo mas acreditando num amanhã melhor, por mais impossível e inalcançável que ele pareça.

Vamos começar pelo básico, pelo princípio básico do amor e nem vou entrar em méritos de amor verdadeiro ou não; sejamos diretos e sucintos.

O amor não machuca, não aprisiona, não sufoca, não humilha; já dizia aquele famoso versículo bíblico 1 Coríntios 13:4-7.

Quando alguém não é capaz de compreender e aceitar suas imperfeições, isso não é amor; claro que sabemos que o ser humano é falho e mudanças são necessárias e bem-vindas e que em um relacionamento entre duas pessoas, seja amizade ou namoro; temos criações, vivências e experiências diferentes e, justamente, são elas que moldam nosso caráter e por isso temos que nos adaptar ao outro.


Mas existe um tênue limite entre se adaptar ao outro e abrir mão da sua própria essência e personalidade.

Quando alguém não consegue aceitar a forma como você lida com a vida, como você se veste, ou o fato de você gostar de postar fotos em redes sociais, ou quando a sua liberdade e individualidade não é respeitada dentro da relação, sinto dizer que você tem um relacionamento abusivo.

E acredite, eu sei como é, sei como você se sente, sei como é difícil se dar conta disso e aceitar isso; eu mesma me peguei lendo infinitos textos sobre o assunto, pensando infinitas vezes sobre e sabe quando me dei conta da verdade?

Quando notei que eu não tinha mais controle sobre a minha vida, quando eu notei que vivia em função de não desagradar o outro, quando notei que me privei de coisas que sempre gostei e nunca prejudicaram ninguém, quando notei que tinha mais medo da pessoa do que qualquer outro sentimento.


Quer saber como se sai dessa? Pense bem e pergunte a si mesmo: Eu quero isso? Existe uma forma de manter a relação e torná-la saudável? Vale a pena lutar por isso?

Se todas as respostas forem negativas alimente o seu amor-próprio, busque forças e saia dessa! Vai doer? Vai ser difícil? Vai ser uma luta longa? Vai, mas o que o(a) espera lá no final é a melhor recompensa: amor-próprio, confiança, paz e felicidade!

Você é um espírito livre cuja missão é ser feliz! Você merece ser respeitado, amado, aceito e compreendido!

Lembre do que você passou, de como se sentiu. Use as lembranças como impulso para buscar o seu bem-estar, use como exemplo daquilo que você não quer e não merece e saiba, com toda certeza, que você é forte, que eu acredito em você e que eu tenho certeza que você consegue!

Cuide-se, ame-se, fortaleça a si mesmo e quando se der conta, terá superado!





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.