Comportamento

Casal de SP devolve menino adotado depois de um ano e é condenado a pagar R$ 150 mil a ele

capacasal paulista devolve menino adotado depois de 1 ano e e condenado a pagar R150 mil a ele

A decisão do casal de desistir do filho adotivo veio com uma grande consequência judicial. Entenda melhor o caso!



A adoção de uma criança ou adolescente é um compromisso que exige muita responsabilidade e compromisso e, quando as coisas não acontecem como deveriam, as consequências não demoram a chegar.

No ano passado, um casal de São Paulo foi condenado pelo Tribunal de Justiça estadual (TJSP) a indenizar o ex-filho adotivo, que atualmente está com 11 anos, em R$ 150 mil por danos morais, por por devolvê-lo.

O menino conheceu o casal, formado por um policial e uma médica, no abrigo em que vivia, quando tinha 6 anos, em 2015. Com o relacionamento se desenvolvendo e o menino se dando bem com o filho biológico do casal, começou o estágio de convivência na casa dos pais adotivos, em setembro do mesmo ano.


Em dezembro, a Justiça concedeu a guarda do menino ao casal, reconhecendo que laços afetivos haviam sido criados entre a família e o garoto. O processo de adoção foi finalizado em junho de 2016. Entretanto, em junho de 2017, depois de um ano e nove meses de convivência, os pais adotivos decidiram devolver o menino.

Seu argumento perante a justiça foi de que, apesar de terem tentando conviver bem com o menino e lhe oferecerem toda a segurança, assistência, educação e lazer, não conseguiam lidar com seu comportamento, que classificou como “rebelde”, “agressivo, desafiador e temerário”.

Os autos do processo mostram que o casal disse que o filho adotivo tinha pânico de chuva, dormia mal, não fazia asseio pessoal, era descuidado com seus objetos pessoais, desinteressado nos deveres da escola, tinha dificuldade para aceitar regras e mentia.

Além disso, o casal afirmou que não conseguiu criar um vínculo com o menino.


A Justiça acatou o pedido dos pais, e o menino foi levado para a guardiã e começou a passar por acompanhamento psicológico. Logo após a mudança, os autos dizem que ele se sentia triste e irritado ao lembrar do passado. Entretanto, após um mês com a guardiã, ele se mostrou “favorável e exemplar, carinhoso, afetivo, sociável e tranquilo” e, em 2018, ela entrou com um pedido para adotá-lo.

Após a devolução da criança, o Ministério Público ajuizou um processo contra os pais adotivos na Vara da Infância e Juventude de Atibaia, em São Paulo, afirmando que o casal deveria ser condenado para reparar os danos morais que atribuíram à criança.

No processo contra os pais, o MP ainda disse que os pais tratavam o filho adotivo diferentemente do biológico e que o casal o tirou de atividades extracurriculares, como futebol, tênis e natação, sob o pretexto de “repreendê-lo” por seus comportamentos.

O menino foi tirado de uma escola bilíngue, onde estudava com o irmão, e transferido para uma municipal, embora o filho biológico tenha permanecido na mesma instituição. A família também viajou para a Disney e o deixou no Brasil, com uma cuidadora.


Além de tudo isso, o MP informou que a mãe, aproveitando-se de sua profissão de médica, ministrava medicamentos de uso restrito (Ritalina e Risperidona) ao filho adotivo, sem prescrição de um psiquiatra. A Justiça encaminhou o caso para o Conselho Regional de Medicina (CRM), para apurar “eventual infração disciplinar” de Márcia.

Para a relatora do caso, Marcia Dalla Déa Barone, do TJSP, a devolução da criança pelo casal foi abrupta. Ela citou que muitas crianças que vivem em abrigos carregam inúmeros traumas e que os pais adotivos devem compreender suas limitações e dificuldades.

O casal foi condenado em primeira instância a pagar R$ 150 mil à criança, com valor corrigido monetariamente e acrescido de juros de mora desde quando o menino foi devolvido, em junho de 2017.

A Justiça definiu o valor considerando a condição econômica do casal, inclusive considerando as viagens da família nos últimos anos. A decisão foi mantida pelo Tribunal de Justiça.


Os pais adotivos discordam da decisão, eles acreditam que não causaram danos ao menino e irão recorrer a instâncias superiores, pois afirmam que não causaram danos ao menino.

O advogado do casal, Ivelson Salotto, disse à BBC que o casal continuou pagando a alimentação do menino por quase um ano após a devolução e que, se a criança possui danos, “foram causados pelos pais biológicos”.  Além disso, negou que os clientes tratassem o filho adotivo com diferença e defendeu que eles são “pessoas de boa-fé”.

Nos autos, não há informações sobre a atual situação do garoto. Se a indenização for mantida, o menino terá acesso a ela quando completar 18 anos.

Qual sua opinião sobre esse caso?


Comente abaixo e compartilhe o texto nas redes sociais!

“Homens não vestem isso”: desconhecido dispara ofensas a adolescente que usava vestido em formatura

Artigo Anterior

Estudante que foi impedida de se matricular na USP ganha bolsa de estudos nos EUA!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.