Família

Casal homoafetivo adota 3 irmãos de abrigo e compartilha rotina nas redes: “Mudaram nossas vidas”

Os dois compartilham sua rotina nas redes sociais, e têm quase 20 mil seguidores. Sempre orgulhosos da família que constituíram.



A adoção é um tema que entra em pauta em muitos veículos midiáticos, principalmente porque envolve não apenas uma formação familiar, mas porque mostra que existem inúmeras formas de ser pai e mãe.

Escolher uma pessoa para fazer parte de sua rotina, optar por cuidar de alguém é uma das mais singelas representações de amor que existem, principalmente porque é genuína. Os chilenos Cristián e Rodrigo estão juntos há 18 anos e oficializaram a união enquanto estavam nos Estados Unidos.

Nas últimas férias, entraram num consenso quanto à adoção de crianças, eles estavam em um momento tão único e feliz, que sentiram vontade de compartilhar tudo isso com crianças, e essa era a única coisa que eles sentiam que faltava para tudo ficar perfeito. Eles se casaram nos Estados Unidos, mas também reconheceram a união estável no Chile, onde assinaram os papéis de união civil.


Para o casal, era nítido o próximo passo a dar, a vida que os dois levavam era confortável, tinham um relacionamento saudável e tudo isso influenciaria positivamente na adoção, mas eles estavam enganados.

Para conseguir adotar, eles descobriram que precisariam se separar, já que no Chile é proibido casais homossexuais adotarem crianças. Isso significa que eles precisaram assinar documentos dizendo que estavam separados e registrar a adoção em nome de apenas um deles, o que ia contra tudo o que tinham planejado e imaginado ao longo do tempo.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@dospapasenchile.

Mesmo assim, Cristián e Rodrigo acreditavam que valia mais a pena adotar as crianças e depois lutar para que os direitos da comunidade LGBTQI+ mudassem do que continuar sem os filhos que tanto desejavam. Foram meses até conseguir conhecer aqueles que seriam seus filhos, três irmãos que haviam perdido os pais biológicos.


O Serviço Nacional de Menores do Chile (Sename) entrou em contato com os pais e eles oficializaram a adoção, que precisou ser registrada apenas em nome de um deles.

A história da família acabou viralizando no país, já que eles abriram mão do casamento para oficializar a adoção, o que, para muitos, é extremamente injusto. A partir do momento em que, perante a justiça, os dois se separaram, poderiam enfrentar muitos problemas judiciais, como recusa de pensão.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@dospapasenchile.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@dospapasenchile.


Nas redes sociais, os cinco começaram a fazer sucesso, e hoje têm cerca de 18 mil seguidores que acompanham sua trajetória. Além da adaptação das crianças, eles ainda produzem muito conteúdo voltado para o público LGBTQI+, falando, principalmente, de questões legais e da luta que ainda precisam enfrentar para conseguir tornar o processo de adoção mais justo.

Em entrevista ao jornal CHV, os pais afirmaram que acreditam que a chave seja o amor, sendo que, na verdade, o papel da família é secundário. Para eles, o que importa, de fato, é o amor e a contenção que os adultos oferecem às crianças.

São inúmeras famílias homoafetivas que estão, neste momento, na fila para adoção e que encontram problemas como esse. Cristián e Rodrigo acreditam que as três crianças mudaram completamente suas vidas, e que têm um longo caminho pela frente.

Considerados até símbolo da adoção para famílias homoafetivas, ambos seguem lutando por um mundo mais justo, onde crianças possam sair dos abrigos e casas de adoção para conseguir, finalmente, uma configuração familiar que lhes ofereça carinho, amor e cuidado.


Caso Henry: pai do menino relata ‘frieza’ de Monique ao ver laudo no IML

Artigo Anterior

Por intimidar colegas, pai faz filho segurar cartaz que diz: “Eu sou um valentão” no meio da rua

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.