Castigos para crianças que funcionam

Seus avós com certeza comentam: “nos meus tempos as coisas eram diferentes”. Há 20 anos os castigos eram mais físicos e as vezes traumatizavam as crianças. Os educadores e psicólogos estudaram com mais afinco e descobriram que violência realmente não educa, mas listaram alguns bons castigos que podem funcionar.



Privar a criança da sobremesa – é a parte mais legal para os pequenos de uma refeição. Se eles não se comportam bem à mesa, cortar o docinho ao final é uma forma de o punir e sem violência. Apenas tente não fazer isso sempre e tornar a refeição traumatizante.

Privar a criança de sua festinha de fim de semana – tem um convite mas ele se comportou mal? Não vai à festa. Se ele ou ela não entender que não pode ir até ser um bom menino então nunca vai fazê-lo. Ele precisa ser privado de algo importante para entender o valor do seu bom comportamento.

Deixar a criança no cantinho do castigo – crie um espaço para deixar o pequeno sentado pela quantidade de minutos de acordo com a sua cidade. Uma criança de três anos deve ficar três minutos sentada em seu cantinho do castigo, uma de dois dois anos apenas dois e assim por diante. O local deve ser selecionado e organizado apenas para isso e não vale colocar o filho nos braços sempre que houver choro. É preciso deixar a criança aprender.


Recolha o brinquedo que ele mais gosta – há brigas entre os irmãos ou a criança não está se comportando bem? Remova os itens que ele mais gosta, como o DVD preferido, um jogo ou um boneco. É uma forma de merecimento ter o que deseja e crianças aprendem rápido desta forma.

Conversar com as crianças ainda é importante por menor que seja a sua idade. Os pais precisam se mostrar amigos também, companheiros e entender porque devem ser boas crianças. Uma conversa é o primeiro passo antes de qualquer castigo.

 


Fonte: Relacionamentos.org

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.