A chave para atingir suas metas na vida, aprendidas com um lendário arqueiro

Na década de 1920, um alemão chamado Eugen Herrigel mudou-se para o Japão e começou a treinar em Kyudo a arte marcial japonesa do tiro com arco.



Herrigel foi ensinado por um mestre Kyudo lendário chamado Awa Kenzo. Kenzo estava convencido de que os novatos devem dominar os fundamentos de tiro com arco antes de tentar atirar em um alvo real e levou este método ao extremo. Durante os primeiros quatro anos, Herrigel só foi autorizado a atirar em um rolo de palha apenas sete pés afastado. (1)

Quando ele foi finalmente autorizado a atirar em alvos no extremo da sala de prática, seu desempenho foi lúgubre. As setas sairam do curso e ele ficou mais desanimado a cada tiro rebelde. Herrigel estava convencido de que seu problema era pobre objetivo, mas Kenzo respondeu que não é quanto objetivo se tem, mas como você se aproxima de seu objetivo que determina o resultado.

Frustrado com seu professor, Herrigel deixou escapar: “Então você deve ser capaz de acertá-lo com os olhos vendados.”


Kenzo parou por um momento e então disse: “Venha me ver esta noite.”

Tiro com arco, de olhos vendados

Ao anoitecer, os dois homens voltaram para o pátio onde a sala de prática ficava localizada. Kenzo caminhou até sua localização normal de tiro com o alvo escondido em algum lugar no meio da noite. O mestre de tiro com arco lançou a primeira seta na escuridão do pátio.

Herrigel escreveria mais tarde: “Eu sabia pelo som que ele tinha atingido o alvo.”


Imediatamente, Kenzo pegou uma segunda flecha e atirou novamente na noite. Herrigel saltou e correu em frente ao pátio para inspecionar o alvo.

Em seu livro, Zen in the Art of Archery, Herrigel escreveu: “Quando eu liguei a luz sobre o alvo, descobri, para minha surpresa, que a primeira flecha atingiu em cheio o meio do preto, enquanto a segunda flecha tinha estilhaçou a coronha da primeira e entrou pelo eixo”.

a chave para atingir2

Três arqueiros japoneses cerca de 1860. ( Fonte da imagem Henry and Nancy Rosin Collection of Early Photography of Japan. Smithsonian Institution.)


Tudo é objetivo

Grandes mestres de tiro com arco, muitas vezes ensinam que “tudo é objetivo.” Onde você coloca seus pés, como você segura o arco, a forma como você respira durante o lançamento da seta – tudo isso determina o resultado final.

No caso de Awa Kenzo, o arqueiro mestre era tão consciente do processo que deu um tiro preciso e foi capaz de replicar a série exata de movimentos internos, mesmo sem ver o alvo externo. Esta consciência completa do corpo e da mente em relação à meta é conhecido como zanshin.

Zanshin é uma palavra usada comumente em todas as artes marciais japonesas para se referir a um estado de alerta relaxado. Traduzido literalmente, significa “a mente sem resto.” Em outras palavras, a mente completamente focada em ação. Zanshin é estar constantemente consciente de seu corpo, mente e arredores. É uma vigilância sem esforço.

Na prática, porém, Zanshin tem um significado ainda mais profundo. Zanshin é escolher viver a sua vida de forma intencional e agindo com propósito em vez de agir como vítima de tudo o que vem em seu caminho.


O inimigo do aperfeiçoamento

Há um famoso provérbio japonês que diz: “Depois de vencer a batalha, aperte seu capacete.” (2)

Em outras palavras, a batalha não termina quando você ganha. A batalha só termina quando você fica com preguiça, quando perde o seu sentido de compromisso, e quando para de prestar atenção. Isto é Zanshin também: o ato de viver com o estado de alerta, independentemente de o objetivo já ter sido alcançado.

Podemos aplicar esta filosofia em muitas áreas da vida

  • Escrita: A batalha não termina quando você publica um livro. Termina quando você se considera um produto acabado, quando perde a vigilância necessária para continuar a melhorar o seu ofício.
  • Fitness: A batalha não termina quando você atinge seu peso ideal. Ela termina quando você perde a concentração e ignora os treinos, ou quando você perde perspectiva.
  • Empreendedorismo: A batalha não termina quando você faz uma grande venda. Termina quando você fica arrogante e complacente.

O inimigo da melhoria não é nem o fracasso nem o sucesso. O inimigo da melhoria é o tédio, fadiga e falta de concentração. O inimigo da melhoria é uma falta de compromisso com o processo porque o processo é tudo.


A arte do Zanshin na vida cotidiana

“Deve-se abordar todas as atividades e situações com a mesma sinceridade, a mesma intensidade, e a mesma consciência que se tem com o arco e flecha na mão.” – Kenneth Kushner

Vivemos em um mundo obcecado por resultados. Como Herrigel, temos uma tendência a colocar tanta ênfase sobre se a flecha atingirá ou não o alvo. Se, no entanto, nós colocamos a intensidade, foco e sinceridade no processo – onde colocamos nossos pés, como podemos segurar o arco, como respiramos durante o lançamento da seta – atingir o alvo é simplesmente um efeito colateral.

A questão não é se preocupar em acertar o alvo. A questão é se apaixonar com o tédio de fazer o trabalho e abraçar cada parte do processo. O ponto é levar esse momento de zanshin, aquele momento de plena consciência e foco, levá-lo com você em todos os lugares na vida.

Não é o alvo que interessa. Não é a linha de chegada o que importa. É a maneira que nos aproximamos do objetivo. Tudo é objetivo. Zanshin.


Notas de Rodapé

1.Quando Herrigel queixou-se do ritmo extremamente lento, Kenzo respondeu: “O caminho para o objetivo não é para ser medido! Que importância tem semanas, meses, anos? “

2.A frase real é “katte kabuto no o o shimeyo”, que se traduz literalmente como “Aperte a corda do kabuto depois de vencer a guerra.” O Kabuto era um capacete usado por guerreiros japoneses. Como seria de esperar, parece incrível.

 

___

Traduzido pela equipe de O Segredo

Fonte: Life Hack

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.