Chilenos criam sacos plásticos solúveis em água e que não poluem

Vivemos um momento de reflexão e consciência, no que se refere ao meio ambiente. Começamos a sentir na pele todos os efeitos que a poluição e a destruição da natureza causam em nossas vidas, e cada vez mais pesquisadores se dedicam a novas soluções que ajudem a preservar o planeta.

São muitas as propostas que surgem como uma maneira de prevenir a degradação da natureza, mas uma delas em especial chama a atenção nos últimos tempos: o saco plástico solúvel em água e que não polui o meio ambiente.

A invenção foi dos engenheiros chilenos Roberto Astete e Cristian Olivares. Os novos sacos plásticos foram criados com uma simples alteração na fórmula do plástico, que permite substituir o petróleo pela pedra calcária.

Os engenheiros, a princípio, fizeram experimentos para fabricar um detergente biodegradável, mas em suas pesquisas encontraram a fórmula química à base de PVA (álcool polivinílico, solúvel em água) que pode substituir os derivados do petróleo, que dificultam a degradação dos materiais e causam prejuízos ao meio ambiente.

“Nosso produto deriva de uma pedra calcária que não causa danos ao meio ambiente”, disse Roberto Astete, diretor-geral da empresa SoluBag, que deseja colocar seu produto à venda o quanto antes no Chile, um dos primeiros países da América Latina a proibir o uso de sacos plásticos convencionais em estabelecimentos comerciais.

Ele explica o processo de criação das sacolas de lima maneira simples:

“É como fazer pão. (…) Para fazer pão é preciso farinha e outros ingredientes. Nossa farinha é de álcool de polivinil e outros componentes, aprovados pela FDA (agência americana reguladora de alimentos, medicamentos, cosméticos, aparelhos médicos, produtos biológicos e derivados sanguíneos), que nos permitiu ter uma matéria-prima para fazer diferentes produtos”.

Os criadores dos sacos fizeram questão de demonstrar a das sacolas em água fria ou de bolsas de tecido reutilizáveis em água quente.

“O que fica na água é carbono”, diz Astete, que complementa dizendo que exames mostram a que esse componente “não tem nenhum efeito no corpo humano”.

Sobre a diferença entre o novo saco plástico e o tradicional, Astete explica que:

“A grande diferença entre o plástico tradicional e o nosso é que aquele vai estar entre 150 e até 500 anos no meio ambiente e o nosso demora apenas cinco minutos. A gente decide quando o destrói”, e complementa dizendo que “hoje em dia a máquina recicladora pode ser a panela de casa ou a máquina de lavar”.

Como a fórmula encontrada por Astete e Olivares não serve apenas para sacolas, mas para  “qualquer material plástico”, eles já estão investindo na produção de novos produtos como talheres, pratos e embalagens.

Um dúvida comum é sobre como usar as sacolas em dias de chuva, será que elas não derretem antes de chegarmos em casa com as compras?

Sobre isso eles explicam que podem programar a temperatura à qual tanto os sacos plásticos como os de lixo se dissolvem no contato com a água.

Além disso, os sacos também impedem a asfixia de crianças ou adultos, porque assim que entram em contato com a língua ou as lágrimas, eles se dissolvem.

A criação dos engenheiros pode ser facilmente incorporada em empresas que fabricam os plásticos convencionais, já que apenas precisa alterar a fórmula de produção, e o preço não se distanciará muito do que estamos acostumados.

O grande objetivo é oferecer à população “empoderamento de ajudar a descontaminar o meio ambiente” porque “a grande vantagem é que o usuário decide quando destruí-la”.

Essa ideia genial foi a grande vencedora do prêmio SingularityU Chile Summit 2018, como empreendimento catalisador de mudança, e como resultado, Roberto e Cristian conquistaram  um estágio no Vale do Silício desde setembro de 2018.

Esperamos que os engenheiros consigam implementar seu projeto no Chile e em breve em nosso país e mais muitos outros ao redor do mundo. Isso representará uma grande evolução na luta para a preservação do meio ambiente.

Essa é uma criação que deve ser parabenizada e divulgada. Compartilhe com seus amigos e torne essa notícia cada vez mais popular!




Deixe seu comentário