publicidade

Ciência dá um grande passo na luta contra a esclerose múltipla e a cura está mais perto!

Depois de anos de estudo, uma cientista da Universidade de Cambridge fez descobertas incríveis, que podem ajudar a curar os portadores dessa doença. Saiba mais!



A esclerose múltipla é uma doença autoimune, que acontece quando as células imunológicas do corpo atacam a camada protetora dos nervos, afetando diretamente a comunicação entre o cérebro e o corpo.

As pessoas que sofrem com essa doença podem enfrentar muitos sintomas, como a perda da visão, dor, fadiga e comprometimento da coordenação motora. Os tratamentos atuais são a base de medicamentos e fisioterapia, mas eles apenas retardam a progressão da doença, já que não promovem a cura.

No entanto, nova descoberta médica, realizada pela Dra. Su Metcalfe, pode mudar essa realidade. A pesquisadora da Universidade de Cambridge (Inglaterra) descobriu uma mudança dentro da célula imunológica, que poderia ser “redefinida” para retornar à sua atividade normal.


A pesquisa pré-clínica de Metcalfe tem como um dos principais elementos o fator inibidor da leucemia (LIF), uma pequena proteína sinalizadora que atua nas células-tronco do corpo.

A pesquisadora explica que LIF é capaz de ativar essas células-tronco para substituir as células danificadas durante o reparo tecidual, como exemplo, o reparo de um músculo rompido. Ela acrescenta que LIF também é capaz de sustentar um sistema nervoso central saudável, nos quais os nervos são protegidos.

Essa pesquisa é tão importante para Metcalfe, que ela fundou uma empresa, em 2013, para continuar seus trabalhos, a Cambridge LIF-NanoRx. Através da junção de nanopartículas especializadas com a proteína LIF, a pesquisadora foi capaz de prolongar a vida útil do agente de reparo no corpo.

O tratamento desenvolvido pela cientista pode reverter a autoimunidade, enquanto repara simultaneamente os danos causados ​​no cérebro de um paciente. Esse é um avanço muito grande, que aumenta as esperanças para a cura dos portadores da doença.


Metcalfe esclareceu, em entrevista ao Cambridgeshire Live, que nenhum medicamento está sendo usado, os pesquisadores estão simplesmente conectando os sistemas de autotolerância e reparo do corpo.

Ela também explicou que não há efeitos colaterais, porque tudo o que estão fazendo é equilibrar a balança. De acordo com Metcalfe, a imunidade automática acontece quando esse equilíbrio está um pouco errado, e o seu trabalho busca redefinir isso. Uma vez feito o processo, ele torna-se autossustentável e não é mais necessário o paciente fazer terapia, porque seu corpo recupera o equilíbrio por conta própria.

A pesquisa da Dra. Metcalfe se concentrou apenas na esclerose múltipla, mas ela pretende aperfeiçoar suas descobertas para serem aplicadas também na psoríase e no diabetes.

Que descoberta incrível! Agora é esperar que empresas farmacêuticas e investidores privados demonstrem interesse em sua pesquisa, para que esse grande avanço seja testado em humanos.

Compartilhe essa grande notícia com seus amigos nas redes sociais!

 

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.