5min. de leitura

Ciência diz que os cérebros dos guitarristas são realmente diferentes de todos os outros!

Não há nada como pegar uma guitarra e dedilhar alguns acordes. Ouvir alguém tocar pode ser fascinante, pode evocar emoção e um bom riff de guitarra pode trazer o melhor de uma música. Muitos guitarristas encontram uma qualidade calmante e meditativa ao tocar, juntamente com a essência da criação de uma música ou uma versão acústica de sua música favorita.


Mas como tocar guitarra afeta o cérebro?

Mais e mais estudos científicos têm  analisado como as pessoas que tocam guitarra têm diferentes funções cerebrais em comparação com aquelas que não tocam.

O que eles descobriram foi bastante surpreendente e apoiou o que muitos guitarristas podem instintivamente saber:

Os cérebros dos guitarristas podem sincronizar

Um estudo de 2012 realizado em Berlim analisou os cérebros dos guitarristas. Os pesquisadores reuniram 12 pares de guitarristas e pediram que tocassem a mesma música enquanto os cérebros eram digitalizados.


Durante o experimento, eles descobriram algo extraordinário acontecendo a cada par de participantes – seus cérebros estavam sincronizando um com o outro. Então, o que isso quer dizer? Bem, as redes neurais encontradas nas áreas do cérebro associadas à cognição social e à produção musical foram mais ativadas quando os participantes estavam tocando seus instrumentos. Em outras palavras, sua capacidade de se conectar um ao outro durante a reprodução da música era excepcionalmente forte.


O guitarrista tem uma intuição mais alta

A intuição é descrita como “a capacidade de compreender algo instintivamente, sem a necessidade de raciocínio consciente” e é exatamente isso que acontece quando duas pessoas tocam guitarra juntas.


A capacidade de sincronizar os seus cérebros decorre deste talento intuitivo desenvolvido, indicando que os guitarristas têm uma destreza espiritual definida. Não só seu cérebro sincroniza com o de outro, mas eles também podem até mesmo antecipar o que está para vir antes e depois de um conjunto de acordes, sem saber conscientemente. Isso explica testemunhar uma certa “química” entre os guitarrista de uma banda, e porque muitas bandas incluem irmãos, que podem ter uma conexão ainda mais forte.

Enquanto muitos músicos aprendem através da leitura de partituras, guitarristas aprendem mais ouvindo os outros tocarem e sentindo o seu caminho através dos acordes. Isso também mostra que guitarristas têm excepcionais habilidades de improvisação e pensamento rápido.


Os guitarristas usam mais do seu cérebro criativo e inconsciente

O mesmo estudo realizou um experimento diferente, desta vez enquanto guitarristas solo estavam tocando. Eles descobriram que guitarristas experientes “desativam” a parte consciente de seu cérebro de forma extremamente fácil, o que significa que foram capazes de ativar o modo inconsciente, criativo e menos prático de pensar de forma mais eficiente.

Esta área particular do cérebro – a junção temporo-parietal direita – tipicamente desativa com ‘orientação de objetivo a longo prazo’ a fim de parar distrações para cumprir objetivos. Isso foi em contraste com os não-guitarristas, que eram incapazes de desligar a parte consciente de seu cérebro, o que significava que estavam pensando mais conscientemente sobre o que estavam tocando.

Isso não quer dizer que essa maneira inconsciente de tocar não possa ser aprendida. Uma vez que a plasticidade cerebral permite que novas conexões sejam feitas dependendo da prática, o cérebro do guitarrista pode ser desenvolvido ao longo do tempo, mas é algo sobre tocar guitarra, em particular, que permite que essa magia aconteça.


Conclusão

Todos sabemos que os músicos têm cérebros muito rápidos e criativos, mas parece que os guitarristas têm algo muito especial. Chame de intuição elevada ou até mesmo de elemento espiritual – de qualquer forma, está provado que os guitarristas são uma raça excepcional!

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Life Hack





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.