Pessoas inspiradoras

Estudando com doações, coletor de lixo passa em 2º lugar para cursar Medicina

Com 22 anos, o jovem se preparava para mais um dia de trabalho quando teve acesso à lista de aprovados na Universidade Federal do Pará (UFPA).



As aprovações nas universidades federais brasileiras costumam sempre vir acompanhadas de muita alegria e euforia. Jovens de várias idades se sentem orgulhosos com a conquista, e nada melhor quando ela vem depois de muito esforço, mostrando que a educação é (ou pelo menos deveria ser) para todas as classes sociais.

O coletor de lixo Joel, de 22 anos, teve uma ótima surpresa quando viu seu nome na lista de aprovados da Universidade Federal do Pará (UFPA), para o curso de Medicina. A comemoração se tornou ainda maior quando descobriu que não apenas passou, como ficou em 2º lugar na disputa de vagas entre os que estudaram em escola pública.

Morador de Terra Firme, bairro que fica na periferia de Belém, o rapaz fez 826 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e vai voltar à faculdade que havia abandonado três anos antes, enquanto cursava direito. Segundo reportagem do UOL, Joel precisou abandonar o curso porque além de se desestimular com as matérias, também precisou trabalhar para ajudar a família.


Os pais do jovem vivem há mais de 15 anos com o dinheiro que recebem em uma cooperativa de catadores de materiais recicláveis, na capital do Pará e, de acordo com Joel, sempre incentivaram que ele desse valor aos estudos. Ele conta que esse apoio o fez adquirir o hábito da leitura, e como a região onde morava tinha poucas opções de lazer, ele acabou fazendo deste o seu hobby.

Os pais trabalhavam em um galpão perto da casa onde moravam e, muitas vezes, Joel os acompanhava até o local, onde acabava encontrando algo para ler. Além de materiais recicláveis, como garrafas PET e papelão, também tinha muitos papéis e livros, o que possibilitou que ele seguisse cultivando seu gosto pela leitura.

Ela conta que sempre se interessou mais pelas áreas de biologia e história, mas que gostava de literatura de diversos gêneros, como a história medieval do rei Arthur, por exemplo. Joel lia muito sobre sociologia e filosofia, e sempre coleciona bons livros.

Para conseguir ser aprovado na UFPA, o jovem precisou conciliar a exaustiva rotina de coletor de lixo e os estudos para o vestibular, mas fala que era bem desgastante. Acordando todos os dias às 6h, ele acabou usando seu trabalho como mais uma ferramenta para ajudar a realizar o sonho de entrar em medicina.


Como na cooperativa existe um roteiro fixo, os coletores passam por várias ruas da cidade, batendo de porta em porta, conversando com os moradores, e coletando o material reciclável.

Esse contato acabava criando uma relação de confiança com várias pessoas, muitas se solidarizaram com a história do estudante e doaram material, para que ele continuasse estudando e se preparando.

A rotina de estudo só começava por volta das 19h e, todos os dias, seguia até as 22h ou 23h, para só então encerrar e descansar para o dia seguinte. Joel optou por fazer medicina porque viu ali uma chance de poder ajudar a própria comunidade, atender à população, apoiando-a de alguma forma.

Mas o esforço está apenas começando, e Joel sabe bem disso. Seu grande desafio agora é conseguir terminar os seis anos de graduação e conseguir se tornar médico. O jovem conta que os alunos de baixa renda têm uma dupla barreira, uma é entrar na faculdade, e a outra é conseguir se manter.


Ele espera não entrar na estatística de evasão, e realmente conquistar seu sonho. Estamos torcendo para que Joel se torne um ótimo médico! Comente abaixo e compartilhe nas suas redes!

Monique Medeiros, mãe do menino Henry, é isolada com covid-19 em hospital penitenciário

Artigo Anterior

PM é atropelado e arrastado por carro após motorista fugir de abordagem

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.