Pessoas inspiradoras

Com apenas 1% de chance de voltar a andar, jovem desafia as probabilidades e dá seus primeiros passos

O jovem viu seu sonho de se tornar jogador profissional de futebol se apagar depois que se envolveu em um acidente de carro que o deixou paralisado dos ombros para baixo.



Existem alguns momentos cruciais em nossas vidas capazes de mudar todo o curso da nossa história, fazendo com que o que acreditávamos ser verdade seja completamente colocado em dúvida.

Sabe quando andamos por uma estrada, achando que nela vamos chegar mais rápido ao destino, e acabamos nos envolvendo com outros pedaços da trama que mudam completamente o ponto de chegada? Muita gente sabe.

O jovem Tyler Wesley, do Colorado, nos Estados Unidos, cultivou desde a infância o sonho de se tornar jogador de futebol profissional. Na adolescência, ele se dedicou de corpo e alma para conseguir entrar no time da escola, principalmente porque, em seu país, se destacar nos esportes ainda no ensino fundamental ou médio, garante um futuro de proeminência ou mesmo vagas na universidade.


Tudo parecia correr bem, Tyler conseguiu garantir sua vaga no time da escola e seguia se dedicando da forma como podia. Justamente quando as coisas parecem fluir, a vida com suas peripécias acaba mostrando um caminho diferente do esperado.

Quando completou 15 anos, ele se envolveu num acidente de carro com capotamento, em que se quebrou o pescoço, junto com as vértebras C4 em sua medula espinhal, paralisando-o dos ombros para baixo.

Sua vida mudou em questão de instantes, e os médicos informaram a seus pais que jamais conseguiria andar, falar, mover os braços ou mesmo respirar por conta própria. Foram meses de internação sem conseguir acreditar que seu sonho havia acabado. Mas Tyler tentou não se deixar abalar e decidiu recuperar sua mobilidade, dedicando-se à fisioterapia da mesma maneira que se dedicava aos exercícios físicos enquanto treinava para o futebol.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@t_wes44.


Esse foco e determinação fizeram com que o adolescente fosse superando todas as expectativas médicas, evoluindo a cada nova avaliação médica. No início, Tyler só conseguia se locomover usando uma cadeira de rodas controlada pela respiração, mas isso foi mudando gradativamente, chegando a conseguir usar um modelo que se locomove com joystick de controle  manual.

Para se recuperar, o jovem precisou acreditar em sua capacidade e se jogar na tentativa da melhora. As sessões de fisioterapia eram exaustivas, em muitos momentos, pareciam que nem sequer mudavam algo, mas os anos levaram Tyler da cadeira de rodas para um andador.

O jovem não precisava mais do ventilador mecânico, que o ajudava na respiração nem do colar de pescoço ou qualquer outro instrumento feito para tetraplégicos.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@t_wes44.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@t_wes44.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@t_wes44.

Para não se sentir completamente isolado, a mãe ainda o incentivou a voltar para sua rotina de antes do acidente, retomando os estudos para terminar o ensino médio.

Em 2014, Tyler conseguiu se formar junto com seus amigos, e teve uma surpresa ao perceber que todos os colegas e profissionais da comunidade escolar lhe demonstraram muito amor e gentileza.


Cinco anos depois do acidente que mudou completamente sua vida, Tyler compartilhou um emocionante vídeo em que se levantava e andava alguns passos. Aquela publicação no Twitter viralizou e o jovem ganhou atenção nacional, fazendo com que tivesse a ideia de ajudar outras pessoas a lidar com traumas na medula espinhal, fornecendo apoio e palavras motivacionais.


Tyler complementa dizendo que aprendeu que é preciso trabalhar duro, é preciso se forçar a levantar e a colocar um pé na frente do outro, recusando-se a deixar a dor chegar até você. É preciso lutar e, em muitos momentos, essa batalha vai ser quase insuportável, mas não existe outra forma que faça com que você evolua fisicamente.

Leandra Leal fala sobre compromissos da maternidade: “Adoção não é trabalho social”

Artigo Anterior

Jovem de 12 anos, que anda mais de 2h para chegar à escola, ganha vaquinha: “Tenho o sonho de ser advogada”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.