publicidade

Com prazer, sem sofrer!

Quem foi que disse que estamos aqui para sofrer? Quem foi que aceitou se suicidar diariamente sem sentir prazer pela vida? Quem foi que disse que ser bem-sucedido é ter um monte de dinheiro? Para mim, Ralha Saldo Émerson tem a melhor definição do sucesso: “Rir muito e com frequência; ganhar o respeito de pessoas inteligentes e o afeto das crianças; merecer a consideração de críticos honestos e suportar a traição de falsos amigos; apreciar a beleza, encontrar o melhor nos outros; deixar o mundo um pouco melhor, seja por uma saudável criança, um canteiro de jardim ou uma redimida condição social; saber que ao menos uma vida respirou mais fácil porque você viveu. Isto é ter sucesso!”



Vamos lá: a partir do momento que saímos da barriga da nossa mãe, já estamos fadados a morrer. A única condição de se estar vivo é saber que se morrerá. Nunca sabemos quando e só nos cabe viver o momento presente. Esta é a nossa condição existencial. Não quero aqui gerar pânicos e medos, mas sim, buscar dentro de nós uma aceitação profunda de tal fato.

Portanto, enquanto vivos, devemos gastar nosso tempo. Escolhemos o que fazemos com ele. Temos diversos potenciais, diariamente nos relacionamos com pessoas e vamos descobrindo atividades que nos interessam para nos entretermos e evoluir nossa consciência.

com-prazer-sem-sofrer-capa-e-dentro


Cada dia é diferente do outro e, a cada dia, nós mudamos. Simples assim é a vida. Na macro visão, somos apenas um corpo que passa pelo tempo.

Buscar prazer é natural do instinto humano, e é nosso direito enquanto ser vivo, usufruir das diversas fontes que estão à nossa disposição. Porém, constantemente, nos vemos aprisionados por “mimimis” da micro visão da vida, como: “meu chefe é um saco”, “meus filhos não me respeitam”, “meus amigos me sugam”, “não posso viajar porque não tenho dinheiro” entre tantos outros mimimis. Então pa-re, res-pire e mu-de. Mude já! Caia na real, você está aqui só para passar o tempo. Jura que prefere gastar com reclamações do que se dar o direito de viver com prazer? De ser feliz? Prefere, por ego (orgulho, teimosia e mimimi) ter más relações; do que perdoar, aceitar as diferenças e apenas “passar” pelas relações com um olhar humilde de que você, eu e quem mais que seja estamos aqui só de passagem?

Se seu amor é viajar, venda tudo e vá viajar. Se seus filhos não te respeitam, então está na hora de você se respeitar para eles entenderem que você faz o que você fala. Seu chefe é chato? Mude de emprego. Seus amigos te traíram? Rompa a amizade e encontre novos. Disse algo que se arrependeu? Peça desculpas e ande sem se prender ao passado. Discorda da escolha que alguém querido está fazendo? Respeite o outro, e lembre-se que você é apenas responsável por suas próprias escolhas. Saia do mimimi e encontre soluções para si. Elas estão a nosso dispor o tempo todo para virarmos a página.


Há momentos da vida que temos que escolher entre um dos dois caminhos: viver na sociedade do medo que envolve todas as lamentações e desculpas para não irmos atrás do que realmente tem valor e faz sentido para nós; ou então, sermos movidos pelo amor, paixão e pelo que nos faz sentir alegria e sentido em estarmos vivos.

O segundo caminho envolve riscos, libertar-se e desapegar-se, mas é a única forma de se mover com amor a sua própria vida. Aceitar quem você é. Bancar e responsabilizar-se 100% por suas escolhas (já são mais do que suficiente para você se ocupar). Se der errado, adquira o aprendizado, se der certo, contemple. É aí que se encontra alegria que vem de dentro para fora. Para e pensa: quando está completamente apaixonado por alguém, pode estar o dia mais frio, chuvoso e horroroso que absolutamente nada é capaz de te tirar do seu estado interior pleno de alegria e satisfação em estar vivo. Não é? Te convido então a apaixonar-se por si mesmo e por sua vida. Contemple-se. É desta admiração interior profunda que surgirá seu autoconhecimento, respeito, amor e aceitação que te guiarão para uma vida sem medos, porém, com sentido. Sem apegos, mas com alegria.

Se amanhã você morrer, tudo com o que você está preocupado hoje, não terá importância alguma. No seu trabalho, te substituirão. Na sua casa, se desfarão de seus pertences. Seus animais de estimação encontrarão outros donos. Seus familiares sofrerão, mas a vida segue em frente. Portanto, liberte-se do que quer que esteja te iludindo, como por exemplo a segurança. Caia na real, ninguém está seguro neste planeta. Arrisque-se a contemplar a vida como ela é. Saia da gaiola e venha voar. Há milhares de destinos e bilhares de pessoas, nunca estamos sozinhos. Acorde, desperte e, se amanhã tudo se acabar, pelo menos realizado consigo mesmo você estará.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.