Notícias

Comitê científico de SP prevê fim do uso de máscara em dezembro

ssss

O Comitê Científico de São Paulo prevê a flexibilização do uso de máscara em todo o estado no mês de dezembro. O órgão, entretanto, condicionou a possibilidade ao cumprimento de indicadores que monitoram a disseminação do vírus.



“A posição do comitê é que este momento ainda não é seguro e adequado à liberação do uso de máscara. Estamos numa transição importante em que não vai mais haver distanciamento mínimo. Estádios de futebol vão poder receber pessoas de acordo com a sua capacidade e outras atividades voltando à normalidade, esperamos observar melhor essas questões antes da liberação da máscara”, afirmou João Gabbardo, coordenador executivo do órgão.

Segundo Gabbardo, o comitê definiu quatro indicadores relacionados ao controle da pandemia para mostrar a circulação do vírus: o número de pessoas que apresentam a doença em sua forma grave, que precisam de internação hospitalar, que venham a óbito e o indicador que vai acompanhar a cobertura vacinal.

“Quando isso acontecer o comitê encaminhará a liberação de máscaras em ambientes abertos e sem aglomeração. Se continuarmos com os indicadores caindo nessa mesma velocidade que foi apresentada pelo secretário Jean (Gorinchteyn), na última semana do mês de novembro poderemos atingir os quatro indicadores estipulados e, assim, na primeira semana de dezembro é possível que haja a liberação do uso de máscaras em ambientes abertos e sem aglomeração.”


Em relação à cobertura vacinal, Gabbardo e Regiane de Paula afirmaram que a campanha está atualmente em 68,5%. A expectativa é que se alcance o percentual de 75% da população vacinada. Em relação à circulação do vírus, o parâmetro são os novos casos: no pior momento da pandemia eram 18 mil casos diários.

Hoje o número é de aproximadamente 800. “Entendemos que esse número já é adequado, a meta estabelecida era de menos de 1.100 casos diários na média móvel de sete dias.”

As internações chegaram, no pico da pandemia, a 4.000 diariamente. “Hoje estamos trabalhando com a meta de 400 internações como média móvel. Temos como indicador ficar abaixo das 300 internações para atingir essa meta.” Em relação ao número de óbitos, nos meses com pior registro foram 800 mortes por dia. Hoje, são 62 casos diários. A previsão é ficar abaixo de 50 mortes diárias.

Doria lembrou ainda que o equipamento de proteção é obrigatório por lei no estado. “Até o fim deste mês de novembro quando, possivelmente, teremos a liberação do uso, as máscaras continuam obrigatórias. Nessa ocasião poderemos rever o uso baseados no cumprimento dos indicadores”, disse o governador.


Pai diz à polícia que notou mudança em corpo de grávida que morreu após aplicar ‘kit aborto’, mas não sabia de gestação

Artigo Anterior

Presos passam horas costurando colchas para crianças de abrigos que esperam ser adotadas

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.