ColunistasComportamento

Como controlar a ansiedade:

Sempre que falo sobre controle de ansiedade em palestras, treinamentos ou processos de coaching, os olhos das pessoas parecem brilhar e a seguinte pergunta vem à tona:



“É possível controlar a ansiedade?” E na sequência aparece um sonoro: “como?!”

Nossa tendência de aprendizado é buscar fórmulas ou respostas prontas. E nada do que eu disser aqui fará sentido ou terá resultado se antes de saber o como, não explorarmos o porquê legítimo de nossos anseios.

Fora do momento presente, não existe a realidade. Apenas histórias, percepções, ilusões, fantasias e, obviamente, anseios.


A ansiedade é um estado de ausência, é a resposta emocional sobre nossa capacidade de projeção e criação do futuro.

É fruto do desejo de realizar, conquistar ou alcançar qualquer coisa que não temos, fazemos ou somos Agora.

Quantas vezes nos pegamos pensando nos problemas que precisamos resolver no trabalho quando estamos em um jantar ou happy hour com os amigos? E então, na hora que chegamos no trabalho, não vemos a hora de irmos para casa para relaxar, porque estamos cansados da noite seguinte. E aí quando chegamos em casa e temos a oportunidade de nos relacionarmos com nossos familiares, começamos a pensar em como foi o encontro com os amigos no dia anterior e projetar o próximo.


Um ciclo sem fim de pensamentos que nos levam a pouco menos do que lugar algum. Porque por mais que criemos cenários e desejos sobre o futuro quando o momento chegar será diferente daquilo que pensamos. E o resultado é a frustração.

E então quando nos deparamos com uma ocasião onde não criamos qualquer expectativa anterior ou não tentamos comparar com outras passadas, somos atingidos por um êxtase de alegria e realização e temos vontade de compartilhar este sentimento com as pessoas que não estavam lá. Mas nossa tendência é nos voltarmos para as lembranças daquele momento ou aguardarmos uma nova oportunidade no futuro para repetirmos a dose de prazer. E então, nada mais resta do que a ansiedade.

Querer controlar a ansiedade sem estar no momento presente, é como tentar parar um búfalo de 700 kg, que está rodopiando desnorteado, segurando seu chifre com apenas uma mão. É impossível.


Estar presente não significa não planejarmos ou nos recordarmos do passado, mas fazermos isso como recursos significativos para nos ajudar a tomar decisões assertivas no Agora. Controlar os pensamentos é deixar de ser o instrumento das vontades da mente e utilizá-la como um recurso de potencial infinito.

Para isso, precisamos primeiro criar conosco um compromisso e uma disciplina em exercitar a presença todos os dias, pouco a pouco, até que se torne uma prática comum. Assim como o ganho de músculos através de atividades físicas ou a aquisição de habilidades em uma arte, ficar presente nada mais é do que prática.

Por observações e testes, identifiquei algumas disciplinas que nos ancoram no Agora e convido você a experimentar essas ações. Por fim, escolha as que mais fizerem sentido para você e adote para o seu dia a dia.


1.Alimentação

Você é o que você come! Esta é uma frase advinda da filosofia do Yoga e descreve exatamente o que hoje a ciência comprova. Nosso intestino, chamado também de segundo cérebro, possui 100 milhões de células nervosas, quase a mesma quantidade que o nosso sistema nervoso central, e é responsável pela produção de 95% da serotonina de nosso corpo, o hormônio responsável pelos sintomas de felicidade. Ou seja, se você costuma comer constantemente alimentos com conservante, laticínios e carnes, você está ingerindo química, dor e sofrimento e, automaticamente, seu sistema digestivo irá reagir com química, dor e sofrimento. Se fizer sentido para você, procure balancear sua alimentação reduzindo a quantidade de comidas densas, como as citadas anteriormente, e aumentando o consumo de alimentos naturais, vegetais e orgânicos. Após alguns dias de prática, observe seus sentimentos e a sua disposição. Se puder, exercite, quando comer, pousar o garfo no prato, mastigar o dobro do que você costuma mastigar e apreciar os sabores, sem pressa ou ansiedade em terminar logo o que tem no prato.



3.Entretenimento

Os momentos de relaxamento, onde nos permitimos realizar atividades prazerosas não ligadas ao ofício, são de suma importância para que possamos sair de um ambiente de pressão e descansar o lado cognitivo do cérebro. Porém, quando utilizamos drogas, lícitas ou ilícitas, para alterarmos nosso estado de consciência, buscamos, inconscientemente, nos refugiarmos de nós mesmos. As drogas nos dão a falsa sensação de adquirir um alvará para sermos quem gostaríamos de ser, mas não conseguimos. Seu uso nos fornece a ilusão de poder tomar atitudes impensadas e impulsivas sem ter que nos responsabilizarmos por elas. Outra forma de entretenimento que nos deixa ausente é a televisão. A maioria dos programas são focados em manter nossa conexão com padrões negativos e associar nossa vida com conflitos, tragédias, corrupções, entre outras, para que nos identifiquemos com o sofrimento. E em seus intervalos, liberam estímulos sensoriais prazerosos para que possamos ter esperança em alcançar a felicidade através do consumo desenfreado.  Caso já tenha percebido isso e queira realizar uma mudança em sua vida, busque formas de entretenimento mais conscientes e que exijam a sua presença como apreciar diversos tipos de arte, aumentar o contato com a natureza, realizar viagens para locais que ainda não conhece, ler livros, assistir filmes com bons roteiros, entre outros entretenimentos menos carregados de estímulos sensoriais.



3.Atividade

Como disse no início do artigo, ficar presente, além de uma mudança radical de hábitos, é alcançado através da disciplina. Busque práticas que exijam atenção e foco, além de um estado de paz interior. A meditação trabalha principalmente o controle dos pensamentos através de aumentar o foco e a atenção em uma única coisa, que pode ser um objeto, uma música ou na própria respiração, com o propósito de não pensar ou, algumas linhas, em resolver conflitos e angústias do passado. Já o Yoga, alia o controle mental da meditação com exercícios físicos de alongamento e autocontrole muscular. As artes marciais consideradas redondas – que trabalham com redirecionamento de energias ao invés de ataque e contra-ataque – e internas – focadas em desenvolver o autocontrole – como o Aikidô, o Tai Chi Chuan, o QiGong e o Baguazhang, também exigem um estado de presença constante e incentivam o encontro da paz interior. Todos esses exercícios também têm como recompensa o desenvolvimento da postura adequada: coluna ereta, omoplatas encaixadas e ombros relaxados que mantém o peito e o coração abertos e receptivos.



4.Interdependência


Os sentimentos de separação e comparação, estimulam a competitividade em nossa vida pessoal, profissional e social, nos fazendo expor argumentos que não passam de pontos de vista relativos sobre a realidade, o que culmina em conflito. Torcer fervorosamente para um time, alimentar intrigas no trabalho, defender teorias e opiniões, discutir sobre religiões e filosofias, faz com que duas ou mais pessoas entrem em desacordo e ativem a crença de que precisam ganhar a disputa. Para harmonizar a consciência e desenergizar o ego, busque pensar em você como parte de um sistema. O estômago é um órgão independente, que, isolado dos demais, não conseguirá completar a digestão. Ele é dependente do intestino, boca, esôfago, e dos outros órgãos do sistema digestivo, para que o processo seja completado. Podemos chamar esta completude de interdependência, onde existe a importância da individualidade para que haja o benefício mútuo do coletivo.


5.Contribuição

Sorria! Esta é uma das mais curadoras ações para diminuir o fluxo de negatividade e autocrítica que nos ronda nos momentos de estresse e ansiedade. Quando perceber que está ausente em pensamentos destrutivos, busque imprimir um sorriso no rosto, mesmo que seja leve. O seu sistema nervoso irá captar esse pequeno gesto como uma informação de segurança e relaxamento, e você poderá perceber a desaceleração da mente e a dificuldade que seu ego terá em se nutrir de sua energia. Outras práticas que ancoram no presente são ações de doação. Não a doação monetária, mas a doação de seu tempo e disposição para contribuir com as pessoas. Pode ser ajudar seu parceiro, familiar ou amigo a realizar uma tarefa corriqueira, ou se voluntariar em uma instituição sem fins lucrativos, quem sabe realizar uma boa ação para sua comunidade. Enfim, “Dai, e dar-se-vos-á” (Jesus Cristo).


6.Influência

A maioria do tempo, nos preocupamos com fatores externos que temos pouca influência de mudança. Acompanhar notícias sobre política, nos afligir por momentos ruins que outros estão passando, nos penalizarmos por erros do passado, entre outros pensamentos que nos leva a sentimentos de impotência e angústia. A presença nos dá a capacidade de discernimento de mudarmos e o que podemos mudar e aceitarmos o que não podemos mudar, diminuindo nossa zona de preocupação e aumentando nossa zona de influência. Para isso, busque, toda vez que se pegar preocupado, se fazer a seguinte pergunta: eu posso mudar isso Agora? Se sim, planeje a mudança no menor espaço de tempo possível. Se não, liberte-se do pensamento e foque em outro que você possa influenciar a mudança a começar de hoje.


7.Gratidão

Agradeça insaciavelmente a tudo e a todos. Pense que você tem uma vida! Que você tem órgãos. Que você acordou hoje. Que você tem uma família ou amigos. Que você tem um animal de estimação. Que você tem roupas para vestir. Comida na mesa. Muito dinheiro. Pouco dinheiro. Que você é diferente. Que você é único. Que você estudou. Que sabe ler. Agradeça ao jogar uma peça de roupa fora, por todo o tempo que ela lhe serviu. Agradeça o seu colega de trabalho por um feedback. Agradeça o cobrador do pedágio por seu serviço prestado. Agradeça às desavenças e problemas enfrentados. Agradeça a oportunidade de aprendizado e evolução que eles lhe proporcionam. Agradeça sua insegurança por tentar lhe dizer que há algo desequilibrado em você. Agradeça seus pais por terem tido a dádiva de colocarem você no mundo. Não importa o que você encontre para agradecer. Faça! E então, com o desenvolvimento deste novo e maravilhoso hábito, você começará a entrar em contato com um novo padrão de pensamentos focados em abundância, respeito, reconhecimento, humildade e amor.

Espero, do fundo de meu coração, que eu possa ter contribuído para mais uma etapa de sua evolução consciente.

Boas práticas!

“é impossível ser definitivamente alguma coisa, o homem é “um constante vir-a-ser…”

Artigo Anterior

A vida de chico xavier…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.