11min. de leitura

Como fazer um detox nos seus pensamentos:

Como fazer um detox nos seus pensamentos:


Vivemos numa era onde o termo “Detox” é usado frequentemente. A preocupação das pessoas em limpar o seu organismo pode ser testemunhado pelas centenas de capas de revista, programas de televisão, artigos online, vídeos e milhares de livros que temos à nossa disposição. De fato um organismo purificado pode trazer uma melhoria na nossa qualidade de vida e evitar problemas de saúde. Agora eu pergunto-lhe: Se a nossa mente é a responsável por comandar todas as nossas funções orgânicas e motoras, será que não estamos a fazer o processo da forma invertida?

Como seres humanos, somos um sistema perfeito que nasce com todas as ferramentas necessárias para uma vida sempre equilibrada. À medida que vamos crescendo e colhendo informação em forma de conhecimento, vamos criando uma mutação nesse sistema original. Em várias vertentes, adquirimos elementos válidos e que apenas valorizam essa máquina, mas na maioria das vezes recolhemos elementos tóxicos e que esses sim são os responsáveis pela instabilidade, pelo mal-estar e desequilíbrio.

Mais importante que desintoxicar o corpo é remover as toxinas da mente. Devemos imaginar a nossa mente como um computador onde o nosso sistema operativo roda. Se a máquina estiver infectada com vírus, todos os nossos programas passarão a apresentar erros e a nossa performance é comprometida. Mas o que será que origina as infecções na nossa mente? A resposta tem tanto de simples como de complexo: os nossos pensamentos.


Imagine: Todos os seus pensamentos são a sua fonte de energia e que permitem o bom funcionamento da sua máquina. Ao mesmo tempo, são eles os responsáveis pelo seu colapso. Senão pense, quando a sua mente está recheada de pensamentos negativos, qual é o efeito no seu corpo? Será que se sente equilibrado?

Fazendo o paralelo com o detox alimentar avalie, quando é que tende a cometer excessos alimentares com maior frequência? Será que é quando a sua mente está equilibrada ou a alimentação “plástica” vem do stress, da insatisfação, da tristeza e é uma resposta instintiva de penalização inconsciente?

Utilizando um exemplo algo clichê recordemos, quando temos uma desilusão amorosa o consumo de doces aumenta consideravelmente. É comum recorrermos àquela imagem dos chocolates, dos sorvetes, dos bolos que alguém que sofre por amor consome nessas alturas. E quando alguém está desmotivado, sem emprego, sem rumo, podemos lembrar aquele cenário de alguém sentado num sofá a consumir refrigerantes, batatas fritas, hambúrgueres, pizzas e uma série de outras soluções alimentares prejudiciais ao organismo. Mas se sabemos que esses alimentos são nocivos, porque os consumimos? A resposta reside mais uma vez nos nossos pensamentos. Acreditamos que essa ingestão de calorias, e que irá descaracterizar o nosso corpo nos faça sentir melhores. Imaginamos que ao estarmos desequilibrados fisicamente, teremos menos motivos para olhar para o espelho e enfrentar a realidade.


A sociedade está demasiado preocupada com a cultura do corpo e vemos ginásios a cada esquina repletos de pessoas que “lutam” para conquistar a forma física desejada, na esperança de que se o conseguirem, irão sentir-se melhor e voltar a sorrir. Esperam também que as outras pessoas reconheçam nelas novos atributos e que os elogios se multipliquem. Tudo isto acontece porque pensamos que uma coisa tem relação direta com a outra mas isso é falso. Não são os quilos a menos que nos trarão pensamentos positivos e sim a maneira como nos aceitamos no presente.

Projetamos constantemente o nosso bem-estar no tempo futuro: quando eu for assim, quando eu tiver aquilo, quando eu chegar lá, quando eu tiver possibilidades, quando mudar de emprego, etc. Colocamos a nossa felicidade sempre no tempo futuro porque temos medo de enfrentar os nossos desafios e depositamos a nossa esperança no acaso para que tudo mude “por magia”. A mudança da nossa realidade acontece hoje, no presente, quando assumimos a autorresponsabilidade da nossa vida e começamos a trabalhar de dentro para fora.

Fazer um detox nos nossos pensamentos com regularidade é uma ferramenta poderosa para que possamos ter uma vida plena sem criar âncoras virtuais e que podem nunca chegar a bom porto.

E como fazer um detox mental? Arregace as mangas, traga um caderno e uma caneta e vá para um ambiente calmo onde não tenha distrações e vamos começar esta viagem de purificação mental. A primeira coisa que deve fazer é refletir sobre todos os pensamentos nocivos que habitam na sua mente. No seu caderno liste cada um deles, sejam inseguranças, conflitos, medos, frustrações, raivas, stress, etc. Deverá utilizar uma página para cada pensamento. Seja específico. Depois de enumerar todos esses elementos tóxicos, nas restantes linhas da folha de cada pensamento, faça uma reflexão sobre o que o originou.

Imagine que colocou “Baixa Autoestima” como pensamento, veja onde esse pensamento teve origem. Por exemplo: “Sofri com bullying na época escolar”, “Os seus colegas chamavam-me de gorda durante a adolescência”, “Os meus pais diziam que eu não ia chegar a lado nenhum na vida”, etc. O mais importante é que seja franco em todas as suas respostas.

Depois de analisar a origem dos maus pensamentos, avalie: Será que as ideias ou conceitos que originaram esses pensamentos são verdadeiros? Será que têm fundamento no tempo presente? Se nesta fase descobrir que alguns dos seus pensamentos não têm razão de permanecerem na sua mente destaque as folhas onde descreveu cada um deles e reserve. Os restantes e que considera válidos, mantenha no seu caderno.


O processo de detox irá ter duas fases:

FASE 1

Em frente a um espelho, e com todos os pensamentos que já destacou do seu caderno (os pensamentos que já não deveriam existir), pegue em cada folha e leia em voz alta o pensamento negativo. Depois repita a seguinte afirmação: “Eu sei que este pensamento não contribui para a minha felicidade e não me permite ter uma vida equilibrada, por isso assumo hoje o compromisso de o libertar da minha mente.” Depois de dizer esta afirmação em voz alta, rasgue a folha correspondente o máximo que conseguir. Imagine que a cada fragmento novo que cria ao rasgar a folha, está a libertar a sua mente desse tóxico. Faça-o com a convicção de que é você que comanda a sua mente e que não irá permitir que ele exista mais.

Após terminar de rasgar a folha inspire profundamente e expire com vigor e diga: “Assim é e assim será”. Coloque os pedaços de papel num saco plástico e repita o processo para cada um dos pensamentos que reservou. No final, feche o saco onde colocou o papel rasgado e coloque no lixo (fora de casa). Ao voltar a entrar em casa, lembre-se que escolheu libertar-se desses elementos e que eles já não estão mais consigo.


FASE 2

Na segunda fase irá trabalhar os pensamentos restantes de forma diferente. Volte a consultar o seu caderno e em cada pensamento descrito pergunte a si mesmo: Qual seria o oposto deste pensamento? De que forma eu o poderia tornar positivo? No final da folha escreva o pensamento positivo correspondente. Exemplo: Pensamento Negativo: “Existe muito desemprego no país e não irei conseguir arranjar colocação.”, Pensamento Positivo: “Sei que possuo talentos e qualidades válidas que me permitirão arranjar emprego rapidamente”. Agora pense em motivos pelos quais esse novo pensamento poderá ser verdadeiro. Escreva todos eles na sua folha até que lhe pareça coerente ele existir na sua mente. Absorva cada um desses motivos. Numa nova folha escreva “Pensamentos Saudáveis” e liste todos os pensamentos positivos que criou. Guarde essa lista, ela passará a andar consigo durante 20 dias.

Destaque todas as folhas do seu caderno e volte a fazer o mesmo procedimento da Fase 1 para cada um dos pensamentos negativos. Assim que voltar a casa depois de ter despejado o lixo pegue na sua lista de “Pensamentos Saudáveis e em frente ao espelho leia o primeiro pensamento em voz alta com convicção e acrescente “Este pensamento contribui para o meu bem estar e felicidade, então decido neste momento, que ele passará a fazer a fazer parte de mim.” Inspire profundamente, expire calmamente e diga “Assim é e assim será”. Repita este procedimento para cada um dos pensamentos da sua lista. Deverá realizar este processo durante 20 dias pela manhã.

Poderá ler e reler essa lista quantas vezes desejar por dia. Ao eliminar os pensamentos que conseguiu reconhecer que já não tinham validade, removeu as chamadas toxinas adormecidas. Com a introdução de novos pensamentos positivos e que contrariam as chamadas toxinas ativas, estará a criar um sistema semelhante aos anticorpos, que irá atacar as cargas negativas e vitaminar a sua mente com novos conteúdos, possibilitando assim que a sua mente volte a ser saudável.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.