ColunistasComportamentoReflexão

Como não sofrer por causa da crise política e econômica?

como se preparar para a crise de 2016

A sensação que se tem é de que nunca vivemos um momento pior. A política brasileira anda tirando o sono de muita gente. Somos bombardeados incessantemente e de todos os lados por notícias de novas descobertas de corrupção, novas ações na Justiça, novos políticos e empresários presos, de delações premiadas que desestabilizam a economia, desemprego, recessão, crise.



Parece impossível escapar não só das notícias negativas, mas de todos os comentários sobre o que será do país e da ansiedade que isso provoca. Sem falar no ódio e na intolerância generalizados expostos nas redes sociais por quem não admite uma opinião contrária. Inconformismo, violência, discriminação, revolta. Ficamos com a sensação de que o debate ético e saudável já não encontra espaço e só nos resta assistir passivamente a duelos de baixaria. Muitas amizades desfeitas por causa dos ânimos inflamados.

E não são apenas a política e a economia que nos deixam em pânico. Há ainda o noticiário sobre os crimes ambientais, os homicídios e roubos, o terrorismo do outro lado do mundo. Parece que o mundo virou um lugar inseguro e de futuro incerto.

A questão é como sobreviver a esse caos sem adoecer de ansiedade, estresse, sentimento de impotência e desencanto? Como manter a tranquilidade, a confiança, o bom humor, a energia positiva necessários não só para enfrentar os desafios do dia a dia, mas para realizar sonhos e planejar os anos seguintes?


A frase que ouvi de uma amiga demonstra a que ponto chegamos: “Não assisto mais ao noticiário e decidi me tornar uma ignorante em política para não sofrer”. Repliquei que, na minha opinião, a atitude não significava tornar-se ignorante em política, pois isso não podemos ser jamais. A escolha era abdicar do direito à informação em nome da serenidade, da paz de espírito, da saúde física e mental. Percebi que minha fala caiu-lhe como um perdão.

Às vezes é preciso se distanciar dos problemas, colocá-los em perspectiva para não ser engolido pelos fatos que se colocam à nossa volta. Quanto do que a mídia informa interfere diretamente na sua vida? A perspectiva vai lhe proporcionar a análise cautelosa, inteligente e o menos emocional possível da situação, para a tomada de decisões com mais confiança.

Estar nas redes sociais e conviver com informações falsas e comentários sem critério e carregados de revolta também não é uma boa estratégia para manter a serenidade que o momento exige.

Troque pela leitura de bons artigos, forme sua opinião com base em conhecimento fidedigno, aprenda a selecionar o que lê, assiste e compartilha. Reconheça os pessimistas de plantão, os arautos do apocalipse, os que perderam completamente a esperança, e ignore suas mensagens de derrota.


Ao tomar as rédeas do noticiário e observá-lo com a isenção e a imparcialidade de quem busca dados para analisar os fatos e decidir seu comportamento, sua opinião e suas ações você passa de um barco à deriva para traçar sua própria rota. Desemprego, crise econômica, indefinição política, tudo o que abala o país e as nossas vidas, trazendo medo e insegurança, podem ser melhor administrados com boa informação, paciência e moderação. O que não podemos é perder a saúde, as amizades e a capacidade de seguir em frente apesar do caos. Por pior que seja, um dia ele passará.

O passado é referência e não residência…

Artigo Anterior

Conversa entre o medo e a confiança…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.