publicidade

Complexo de inferioridade: descubra como superá-lo

Em muitos momentos da vida, nós nos sentimos desajustados com relação a alguma situação, como se não fôssemos competentes o suficiente para lidar com ela. Isso é natural, pois somos feitos de um turbilhão de diferentes sentimentos. Contudo, achar que está sempre em desvantagem é motivo de atenção, pois configura o complexo de inferioridade, que pode trazer sérias consequências.



São muitas as causas que podem levar alguém a desenvolver esse sentimento. É comum que tenham origem na infância ou em algum fracasso já na fase adulta.

Ciúmes exagerados nas relações, inveja e até o perfeccionismo são formas de expressar o complexo de inferioridade — mesmo que de forma inconsciente.

Seja qual for motivo, o mais importante é entender o que se passa internamente para, assim, reverter a situação e evitar que aquele sentimento prejudique o relacionamento, o trabalho e a vida social. Mais ainda: para adquirir paz, autoconfiança e ser feliz verdadeiramente!

Continue lendo o post e entenda mais sobre o complexo de inferioridade, os principais sintomas e como acabar com esse sentimento. Confira!



O que é complexo de inferioridade, afinal?

O psiquiatra Alfred Adler foi o primeiro a denominar esse sentimento de incapacidade e insuficiência como complexo de inferioridade. Conhecida como baixa autoestima, é a velha sensação de se considerar um fracasso em muitos setores da vida — ou mesmo em tudo.

Os sentimentos de rejeição e de não ser amado são constantes em quem sofre do transtorno. E, embora pareça contraditório, o maior desejo de uma pessoa com complexo de inferioridade é se sentir os melhor em tudo o que faz. Por isso, a busca pela perfeição e a ausência de amor-próprio (ou desconhecimento do seu valor pessoal) são as principais causas do fortalecimento do complexo.


Causas primárias e secundárias

Em seus estudos, Adler identificou as principais origens do complexo de inferioridade, que podem ser divididas em primárias e secundárias. As primárias são aquelas enraizadas desde a tenra idade e são desenvolvidas a partir de experiências de desamparo, abandono ou fraqueza.


Aqui se encaixam inúmeras situações que podem desencadear esses sentimentos, como sofrimento fetal e tentativa de aborto, depressão materna, morte dos pais, maus-tratos e abusos, comparações e cobranças excessivas, e bullying.

O zelo exagerado e a superproteção também causam complexo de inferioridade, pois tornam a criança insegura e dependente, incapaz de reconhecer seu potencial e suas habilidades.

Já as secundárias estão ligadas a situações frustrantes vivenciadas na fase adulta, como perda de emprego ou de uma promoção desejada, ou um relacionamento desfeito de forma traumática (com traições, por exemplo). Assim, a pessoa começa a se sentir incapaz e inferior, bem como anula o amor-próprio e a percepção otimista sobre si mesma e a vida.

Nesse ponto, ela não consegue mais se amar e confiar em seus valores e em suas qualidades. Passa, então, a enxergar apenas seus pontos negativos, cria uma autoimagem cheia de falhas, e adquire neuroses e fobias que, certamente, atrapalham sua vida e a de quem estiver ao redor.


Principais sinais do transtorno

Por ser um transtorno que afeta silenciosamente a felicidade e o amor pela vida, é importante observar os sinais e buscar ajuda. Alguns comportamentos de quem sofre do complexo são formas de, muitas vezes, camuflar a baixa autoestima e o receio de ser rejeitado pelos outros. No fim, são artifícios de defesa do real sentimento de inferioridade.


Veja os principais deles, a seguir:

  • busca constante por reconhecimento;
  • fuga de situações desafiadoras;
  • demonstrações de inveja e ciúme excessivo;
  • mania de se comparar com outras pessoas;
  • isolamento social;
  • dificuldade de aceitar críticas;
  • hábito de indicar os defeitos e as falhas dos outros;
  • baixa autoestima;
  • posicionar-se sempre no papel de vítima;
  • perfeccionismo;
  • dificuldades de relacionamento interpessoal.

Quais são as consequências para a vida?

A baixa autoestima, a falta de amor-próprio e o sentimento de incapacidade podem comprometer todos os âmbitos da vida: relacionamentos afetivos, carreira, vida familiar e social, e até a saúde, já que os sentimentos negativos se materializam em uma série de enfermidades em nosso corpo.

No trabalho, pessoas que se sentem inferiores, além de não conseguirem apresentar todo o seu potencial e as suas habilidades, podem atrapalhar o sucesso dos colegas, pois a inveja detona atitudes de sabotagem ao crescimento alheio.

Da mesma forma, é difícil encontrar felicidade nos relacionamentos, pois quem se sente inferiorizado tenta, a todo custo, mostrar-se melhor do que o outro. É uma forma de compensar as falhas que enxerga em si.

Além disso, a pessoa não se permite ser amada, pois se acha indigna de qualquer demonstração de amor ou afeto. Pode ser porque não se acha boa o suficiente para estar ao lado de outro ou porque a insegurança e a sensação de ser trocada a qualquer momento limita sua vontade de arriscar ser pleno no amor.

E, por mais lindas, fantásticas e incríveis que essas pessoas sejam, o complexo de inferioridade anula todas essas qualidades e qualquer chance de ser genuinamente feliz. Por isso, é preciso eliminar o sentimento de inferioridade o quanto antes.


Como eliminar o complexo de inferioridade?

Entenda a origem do sentimento de inferioridade

Entender a origem do complexo de inferioridade é fundamental para enfrentá-lo. Reflita, busque dados sobre sua infância, pense na sua vida adulta e compreenda o sentimento negativo que está dentro de você.

Pense por que se sente tão inferior e, ao descobrir a causa, analise a situação por vários ângulos. A partir disso, identifique como reverter o sentimento para mudar a forma como encara a vida. Lembre-se de que a felicidade que tanto deseja só depende de uma pessoa: você mesmo!


Descarte o papel de vítima

Livre-se do vitimismo e da tendência de achar que carrega o peso do mundo nas costas. Levante a cabeça, puxe sua coragem e sua força interiores e enfrente os desafios e os medos que surgirem. E, quando algo negativo acontecer, não remoa nem perca tempo procurando culpados: use sua energia para encontrar a solução e vá em frente!


Elimine as comparações

Comparar-se com os outros pode ser um mecanismo para se sentir infeliz ou frustrado. Todo mundo tem qualidades e defeitos, mas ao nos compararmos com os outros, é comum enxergarmos o melhor do outro e o pior de nós mesmos.

Por isso, nessas situações, acostume seu cérebro a mudar a direção dos pensamentos para sua própria vida e tudo de bom que tem acontecido com ela. Crie uma atitude mental de atração positiva e veja como tudo flui melhor.


Reconheça seu potencial e suas qualidades 

Outra mudança deve ser em relação à tendência a supervalorizar os outros e desvalorizar suas próprias conquistas.

Para isso, comece a se amar verdadeiramente, busque formas de sentir a sublimação da alma, vivencie sonhos esquecidos e qualidades soterradas. Não se desrespeite nem maltrate mais! Sinta o amor, a gratidão e somente boas vibrações fluírem dentro de você.


Procure ajuda profissional

Se o sentimento de incapacidade permanecer, não hesite em buscar ajuda profissional. Por meio da psicoterapia, é possível investir no autoconhecimento e na busca do que lhe faz realmente feliz.

Sobretudo, é preciso que esse processo seja consciente e eficaz, para que você possa se libertar do complexo de inferioridade — afinal, é ele quem rouba sua capacidade de amar e ser amado intensamente.


Gostou do post? Para receber mais conteúdo sobre esse e outros assuntos que podem mudar a sua vida, assine nossa newsletter!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: Rock Content

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.