Comportamento

Conheça as tribos mais isoladas e perigosas do mundo!

Foto: Reprodução/ Survival International
capa fb Conheca as tribos mais isoladas e perigosas do mundo 1

Fonte de curiosidade da população externa, as tribos isoladas provocam uma série de ideias a respeito de seu modo de vida que nem sempre condizem com a realidade.

Em busca de aventura ou doutrinação, o missionário John Chau tentou entrar em uma ilha proibida na Índia, e foi recebido a flechadas pela tribo sentinela. O caso, que aconteceu em 2018, foi encerrado sem que as autoridades recuperassem o corpo do rapaz de 27 anos, e suscitou uma série de debates sobre população nativa e influência externa.

Qualquer forma de vida que fuja do que a maioria da população julga “comum” alimenta a curiosidade, além de determinismos e estereótipos. Ainda que existam tribos espalhadas pelo mundo que recebem pouco — ou nenhum — contato externo, todas sabem que existem comunidades fora dali, e a maior preocupação de entidades de proteção dos povos originários é com a saúde, já que as doenças podem fatalmente erradicar grupos inteiros.

Trouxemos, como forma de apresentar culturas diferentes, algumas das tribos consideradas mais isoladas do mundo, chegando a ser perigosas em caso de aproximação de pessoas externas. Já falamos aqui dos sentinelas, por isso vamos abordar outras tribos tão perigosas quanto ela. Confira abaixo:

1. Surmas

2 Conheca as tribos mais isoladas e perigosas do mundo

ireitos autorais: reprodução/ Rod Waddington

Os surmas ocupam uma área remota no Sudoeste da Etiópia, e as autoridades locais garantem que, no mínimo, há 35 anos a tribo não tem contato com nenhuma pessoa ou grupo externo. A última visita oficial foi quando organizações de saúde entraram no local para vacinar a população contra a poliomielite. Sobrevivendo da pecuária e do cultivo de alimentos sazonais, eles não saem do seu território e supostamente protegem o gado com poder bélico que teriam recebido da Rússia há décadas.

2. Mascho-piro

3 Conheca as tribos mais isoladas e perigosas do mundo

Direitos autorais: reprodução/ Survival International

A tribo indígena de caçadores-coletores é considerada desconhecida e vive no Sudoeste do Peru, na floresta amazônica. Eles vivem no Parque Nacional Manú, na região de Madre de Dios. O último censo demográfico dessa população foi feito em 1998 e estimou de 100 a 250 pessoas. O acesso aos turistas foi completamente barrado pelo governo, que defende que qualquer contato com não indígenas pode infectar a tribo inteira com doenças contra as quais eles não adquiriram imunidade.

3. Tribo de um homem só

4 Conheca as tribos mais isoladas e perigosas do mundo

Direitos autorais: reprodução/ Funai

Também chamado de “O Homem do Buraco”, esse indígena supostamente viveria sozinho, por isso considerado “o mais solitário do mundo”. Ele vive na Terra Indígena Tanaru, no Brasil, e há 22 anos é o único sobrevivente de sua tribo, vítima de um massacre brutal. Protegendo suas terras sozinho, ele já deixou claro que não quer companhia, e sempre que alguém se aproxima, atira flechas como alerta.

4. Tribos da Nova Guiné

5 Conheca as tribos mais isoladas e perigosas do mundo

Direitos autorais: reprodução/ Boredom Therapy

O terreno acidentado e não catalogado da Papua Nova Guiné favorece o isolamento de tribos nativas, livrando-as do contato com não indígenas, por isso as autoridades locais não sabem quantificar de quantas comunidades estamos falando. Porém sempre surge na mídia global uma notícia ou outra sobre uma tribo diferente, com hábitos que nem sequer imaginaríamos. Na imagem, temos a tribo huli, que não tem um líder ou chefe e usa porcos como moeda de troca, de acordo com informações da Survival International.

5. Korowai

6 Conheca as tribos mais isoladas e perigosas do mundo

Direitos autorais: reprodução

Na fronteira com a Nova Guiné, os korowais sobrevivem com mais de 3 mil pessoas, e até 1970, segundo informações locais, acreditavam ser as únicas pessoas no mundo. A maioria dos clãs vive em casas que constroem nas árvores, a cerca de 10 metros do chão, para se protegerem de possíveis inundações e insetos indesejados.